Outras Categorias

24 de abril de 2011

O Caráter do Reino de Cristo

Mais artigos de »
Escrito por: P. Andrew Sandlin
Tags:

Não clamará, nem gritará, nem fará ouvir a sua voz na praça. Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega; em verdade, promulgará o direito. (Isaías 42. 2, 3)

Um tema principal dos profetas do Antigo Testamento com relação ao reino glorioso do Messias era a forma como ele iria se contrastar com os reinos meramente humanos. Os reinos do homem surgem com grande pompa e se apresentam com orgulho e poder, esmagando todos os que ousam se opor a eles. Eles constituem manifestações visíveis da glória do homem, e são geralmente acompanhados por uma arrogância para com Deus e o homem.

Alternativamente, foi predito que o reino de Cristo chegaria em humildade, longe dos centros do poder humano (Miqueias 5.2). Quando examinamos os relatos dos evangelhos sobre o nascimento, vida e morte de Cristo, descobrimos que as profecias do Antigo Testamento foram infalivelmente cumpridas: Cristo nasceu em pobreza e humildade, não sendo anunciado por arautos reais, mas por humildes pastores. Os reis da terra não o aclamaram; o principal governante em Israel naquele tempo tentou matá-lo. Nosso Senhor foi criado por uma família humilde e temente a Deus, em relativa obscuridade. Seu ministério adulto de cura e ensino, embora com a presença de milhares, não assumiram o caráter de realeza terrena. Sua morte cruel e ignominiosa, sendo castigado como um criminoso comum, era a execução mais humilhante conhecida no mundo antigo.

Na verdade, se considerarmos sua vida sobre a terra, o reino de Cristo tem pouca semelhança com os reinos humanos.

Há uma boa razão para isso. O reino de Cristo não é principalmente um reino político. Os judeus nacionalistas no primeiro advento de Cristo esperavam que esse homem que alegava ser o Rei e Messias cumprisse as Escrituras do antigo pacto que profetizavam que o Escolhido de Deus quebraria o jugo dos opressores gentios de Israel (Jr 23.5-9; Ez 34.24-31; Mq 5.5, 6). Nessa suposição eles estavam absolutamente corretos. Eles estavam grosseiramente equivocados, contudo, em sua suposição da maneira na qual o Messias faria isso. Eles presumiram – como os dispensacionalistas da era moderna – que o reino de Cristo é um reino político induzido de modo cataclismático e centralmente reforçado. Eles de alguma forma esqueceram aquelas Escrituras do antigo pacto que prediziam que o Messias-Rei cumpriria sua vontade através de meios regenerativos, humildes e não coercivos (Is 15.14, 15; 42.1-7; 52.13 – 53.12; Zc 9.9). Cristo de fato esmagará os seus oponentes (Sl 2); mas ele não os esmagará da maneira que o faz um rei meramente humano.

O primeiro erro amilenista é considerar que o reino de Cristo está limitado à família e igreja cristã, ou ao estado intermediário ou eterno. Ele não reconhece todas as promessas do reino messiânico que pertencem à Era Dourada e Piedosa em toda a terra, incluindo a política e o Estado (e.g., Sl 2; 22.27; 47.2, 3, 7; 72; Is 2.2-4; 11.1-10; 42.1-4; 65.17-25; Mq 4.1-5).

Um erro central de todos os dispensacionalistas, da maioria dos pré-milenistas, e até mesmo de alguns pós-milenistas, por outro lado, está em supor que o reino de Cristo é um fenômeno fundamentalmente político. Os dois primeiros anteveem Cristo retornando fisicamente à terra acompanhado pelos santos mortos com, por assim dizer, armas de fogo e olhos flamejantes, com a intenção de ceifar o Anticristo e os seus discípulos ímpios a sangue frio. Alguns pós-milenistas equivocados, porém, trilham um erro similar. Eles parecem pensar que se os cristãos puderem simplesmente capturar o poder do Estado, eles estarão prestes a inaugurar um milênio intensificado pela imposição da lei bíblica, punindo os inimigos de Deus, e criando um Estado cristão. Embora a sinceridade deles possa ser impecável, sua agenda é impensável.

O Reino de Cristo terreno começa no coração do homem regenerado (Lc 17.21; Cl 1.13). Sob o poder do Espírito Santo, à medida que o cristão reordena sua vida, família e todas as outras áreas que ele influencia em termos de uma fé cristã e lei bíblica, Deus gradualmente reverte o mal e seus efeitos em tudo da vida e sociedade humana. A política é uma dessas áreas, mas nunca a principal. É um erro fatal daqueles enveredados na heresia da importância máxima das soluções políticas supor que o reino de Cristo progredirá principalmente por meio da política. Não será assim! O reino avançará principalmente pela operação do Espírito na vida de cristãos crescentemente santificados, que guardam a lei, que praticam sua fé na família, trabalho, escola, igreja e em todas as áreas de suas vidas.

Os pais inculcam a fé cristã ortodoxa em suas famílias. Os pastores conduzem o seu rebanho à maior obediência. Os educadores instruem seus alunos em termos de um sistema de vida cristão abrangente. As igrejas revivem o diaconato e cuidam dos doentes, dos necessitados, das viúvas e dos órfãos. Os médicos cristãos praticam o ofício divino de cura natural (algumas vezes, talvez, sobrenatural) ao seguir a lei de Deus e os produtos da graça comum de Deus. Os empresários produzem riqueza começando novos negócios que beneficiam a outros. E assim por diante em todas as esferas.

Não se engane: a política (como a medicina, arte, mídia, tecnologia, economia, etc.) é uma área legítima de ação com base nos princípios cristãos. Entregar a política, ou qualquer outra esfera legítima de atividade cristã, ao Diabo e os seus discípulos é uma coisa perversa. Mas o estabelecimento de um Estado explicitamente cristão será o efeito de uma fidelidade cristã abrangente, começando com o indivíduo e a família regenerados e a igreja reformada. Ele não será o efeito de eleger uns poucos políticos cristãos (embora eles sejam necessários), nem mesmo de um Presidente cristão (não importa quão benéfico isso seria). Eleja um Presidente e um Congresso cristão e nomeie um Judiciário totalmente cristão, e os problemas morais mais vexatórios da nação não se evaporariam. É à medida que o reino de Cristo progride entre os homens – por meio do evangelho de Cristo e a submissão e obediência individual à lei-palavra de Deus – que a política e o Estado desfrutarão a redenção cristã.

O reino de Cristo é menos espetacular externamente do que os reinos terrenos, assim como o seu nascimento foi externamente menos espetacular que o nascimento dos reis meramente humanos. Mas a pequena semente de mostarda e a pitada do fermento do reino de Cristo (Mt 13.31-33) não falharão em sobrepujar todos os outros reinos em sua profunda eficácia na terra.

O reino de Cristo está avançando de maneira quieta e discreta.

Mas ele não pode falhar!

 

Fonte: Faith for All of Life, Agosto de 1997.

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/2011



Sobre o Autor

P. Andrew Sandlin
P. Andrew Sandlin
P. Andrew Sandlin, ministro do Evangelho há anos, possui bacharel em Inglês, História e Ciência Política (University of the State of New York); mestrado em Literatura Inglesa (University of South Africa); doutorado em Inglês (Kent State University) e em Teologia Sagrada (Edinburg Theological Seminary). Andrew é um comunicador talentoso e já escreveu inúmeros livros e monógrafos.




 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *