Ministério da Igreja

26 de dezembro de 2011

Vinho na Santa Ceia

Mais artigos de »
Escrito por: Brian M. Abshire
Tags:, ,
vinho-ceia_ba

Vinho, na Escritura, é uma promessa de Deus das bênçãos do pacto (Sl 4.7, “Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se lhes multiplicaram o trigo e o vinho.”). Embora homens pecadores usem incorretamente e abusem desse dom, todavia, Deus mesmo o usa como um exemplo de sua bondade para conosco. (Sl 104.14-15, “Faz crescer a erva para o gado, e a verdura para o serviço do homem, para fazer sair da terra o pão, e o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem.”). De fato, vinho é uma benção que Deus promete especificamente àqueles que O honram com o dízimo. (Pv 3.9-10, “Honra ao SENHOR com os teus bens, e com a primeira parte de todos os teus ganhos; e se encherão os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares.”). Como em todas as coisas na criação, o vinho em si é um símbolo, uma imagem, um reflexo de algo maior e superior. É um retrato das bênçãos que procedem de um relacionamento correto com Deus (Is 25.6, “E o SENHOR dos Exércitos dará neste monte a todos os povos uma festa com animais gordos, uma festa de vinhos velhos, com tutanos gordos, e com vinhos velhos, bem purificados.”; Is 27.2, “Naquele dia haverá uma vinha de vinho tinto; cantai-lhe.”). Na verdade, ele é uma figura da nova vida em Cristo; (Is 55.1, “O vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.”). Jesus usou o vinho como um símbolo da habitação do Espírito Santo, o qual não pode ser limitado pelas velhas tradições (Mt 9.17, “Nem se deita vinho novo em odres velhos; aliás rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; mas deita-se vinho novo em odres novos, e assim ambos se conservam.”). Possivelmente esse é o motivo pelo qual o primeiro milagre que Jesus realizou diante dos seus discípulos, autenticando o seu ministério, foi transformar água em vinho. (João 2.9-11, “E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo. E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho. Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galileia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele.”). Esse milagre, demonstrou não somente Seu senhorio sobre a criação, mas foi também um retrato do que o Messias faria em seu ministério; i.e., pegar elementos comuns e sujos (água era praticamente intragável naqueles dias) e transformá-los em algo doce e maravilhoso.

Algumas pessoas têm argumentado que o vinho na Escritura era suco de uva não fermentado. Mas isso é insustentável, tanto linguística como contextualmente. O suco de uva fermenta-se rapidamente em vinho. É o processo de fermentação que estoura os odres velhos. É o álcool no vinho que, quando usado corretamente, eleva espíritos quebrantados, e torna os tristes, alegres. A embriaguez é proibida pois é uma dissipação; em vez disso, devemos ser cheios do Espírito (Ef 5.18). O álcool no vinho é um retrato do Espírito Santo.

Dessa forma, ao usar suco de uva em vez de vinho, as igrejas destroem a imagem do Espírito Santo na Santa Ceia. Sim, algumas pessoas abstém-se de qualquer quantidade de álcool pois estão preocupadas com a embriaguez. Mas ao recusar beber vinho na Santa Ceia uma igreja está implicitamente rejeitando a própria imagem que Deus nos deu da obra do Espírito Santo. Não é por acaso que o evangelicalismo moderno tem substituído amplamente o vinho por suco de uva.

Mas ao recusar beber vinho na Santa Ceia uma igreja está implicitamente rejeitando a própria imagem que Deus nos deu da obra do Espírito Santo.

Dessa forma, precisamos resgatar essa imagem bíblica para que as celebrações da Santa Ceia sejam completas. É o Espírito Santo que alegra os nossos corações, enche nossas vidas de bondade, estoura os odres velhos e nos dá nova vida. Queremos a plenitude do Espírito Santo em nossas vidas e em nossas Igrejas. Portanto, como um símbolo da obra e do poder do Espírito Santo, o vinho verdadeiro precisa ser usado em nossa Santa Ceia, em vez de “eufemismo roxo”.

Algumas pessoas se perguntam se isso é realmente necessário. Será que é de fato importante se usamos suco de uva como um símbolo do vinho verdadeiro? R. C. Sproul disse que sim. Ele disse, se é apenas um símbolo, então por que não usamos manteiga de amendoim e geleia? Deus mesmo declarou quais símbolos devemos usar. A Confissão de Fé de Westminster, padrão doutrinário das Igrejas Presbiterianas, exige o vinho; logo, todos os presbíteros da PCA e OPC são obrigados a jurar servir vinho na Ceia do Senhor. Deus não escolheu suco de uva para representar o sangue do seu precioso Filho, mas sim vinho. Ele supervisionou a criação para que o açúcar se fermentasse em álcool, a fim de simbolizar os efeitos do seu Espírito Santo levedando e trabalhando sua vontade em nossa vida. Não permitamos que a impiedade dos outros, que abusam dos seus bondosos dons, roubem de nós a imagem que Deus mesmo nos deu. Cheguemo-nos à sua mesa com humildade, reverência e obediência.



Sobre o Autor

Brian M. Abshire
Rev. Brian M. Abshire é pastor da Highlands Reformed Church. Para obter o seu Ph.D. (Greenwich University), ele estudou os "Efeitos Sociológicos do Puritanismo da Nova Inglaterra sobre o Desenvolvimento dos Valores Culturais Americanos".




 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *