Ministério da Igreja

16 de setembro de 2012
 

Seu culto e igreja podem ser efeminados se…

Mais artigos de »
Escrito por: Douglas Wilson
marca_dagua_banners2

1. Sua música e sermões quase nunca contêm referências a juízo, ira, batalhas, inimigos, inferno, Satanás, ou apostasia;

2. Seu ministro de música está mais preocupado que o coral trile seus “eres” corretamente do que em encher o santuário com audível som de batalha;

3. Um dos ministros passou a usar um colarinho clerical e uma camisa cor-de-rosa e ninguém na sessão teve a coragem de dizer que ele está parecendo um garoto de treze anos com bochechas rosadas, como num dos quadros de Norman Rockwell;

4. O grupo de louvor canta coisas do tipo “quero namorar Jesus”, e a expressão deles enquanto estão de pé lá na frente é a mesma daqueles caras no banco de trás do carro, tentando alcançar algo mais com suas namoradas de verdade;

5. Os sermões raramente lidam com o pecado ou, quando o fazem, lidam com pecados encontrados fora do templo, de preferência entre os secularistas em Hollywood ou em qualquer outro lugar;

6. A música de adoração passa por mudanças de acordes rígidos, com especial menção sendo dada à mudança de Mi menor para Dó maior;

7. O ministro usa uma estola sacerdotal, mas a impressão não é a de que ele está vestido para a batalha. Se esse mesmo ministro usasse um kilt, todos pensariam ser uma saia de algum colégio interno só para meninas. Mas se o ministro fosse capaz, ao contrário, de usar um kilt de tal forma a aterrorizar pecadores com o som imaginário de gaitas de fole, e os sons de uma versão resumida do Armagedon cruzando terras enevoadas, e o texto do sermão fosse uma daquelas espadas escocesas de dois gumes zunindo sobre a cabeça de quem o escuta, esse tipo de homem então poderia, se quisesse, usar uma estola;

8. A igreja não pratica a disciplina eclesiástica, e não é porque todos na igreja estão se comportando bem. Eles não praticam a disciplina porque os presbíteros estão se comportando mal.

9. Um grupo de mulheres de presbíteros, ou mulheres de diáconos, ou mulheres voluntárias avulsas formou, na prática, uma sombra sobre o governo da igreja. Um voto é tomado na reunião do conselho, e cerca de meia hora depois de os presbíteros chegarem em casa, os telefones começam a tocar, e-mails começar a ser enviados, e a decisão começa a se tornar notória;

10. Uma ênfase robusta sobre a verdade, bondade, e beleza tem gradualmente se transformado num festival para estetas exibicionistas e afetados. A beleza enfatizada não é a de Bach, Rembrandt, Wren, ou Lewis, mas a da pretensamente encontrada nos encontros de alguma sociedade literária feminista;

11. Essa lista é impressa e colada no mural de sua igreja, e pelo menos três pessoas sentem-se mortalmente ofendidas.

 

 

Tradução: Márcio Santana Sobrinho

Fonte: http://www.dougwils.com/

 



Sobre o Autor

Douglas Wilson
Douglas Wilson




 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_ch

Dispensacionalismo: uma crítica abreviada

O artigo “Dispensacionalismo: uma crítica abreviada” é uma versão abreviada do livro Dispensationalism Today, Yesterday, And Tomorrow de Grover Gunn e Curtis Crenshaw.
por Grover Gunn
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah