Fórum Monergismo.com
Julho 31, 2014, 06:36:31 *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias: Veja as novidades da Loja Monergismo:

http://livros.monergismo.com/
 
   Home   Ajuda Pesquisa Login Registrar  
Páginas: [1] 2
  Imprimir  
Autor Tópico: Dicotomia ou tricotomia?  (Lida 9082 vezes)
Ednaldo
Eclesia carismanda!!!
Administrador
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 4692


"Apenas barro nas mãos do oleiro"


WWW
« : Fevereiro 04, 2009, 04:40:13 »

Os reformados são, em sua maioria, dicotomistas por natureza.

Com quem está a verdade escriturística, com os dicotomistas ou com os tricotomistas?

Para apimentar, vamos colocar alguns versículos bíblicos que parecem defender a tricotomia.

"E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo." 1Ts 5:23

"Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." Hb 4:12

Então? comentem.
Registrado

Deus é Amor, Cristo a Verdade, logo Amor e Verdade andam juntos
Non enim possumus aliquid adversus veritatem sed pro veritate
scordamaglio
Visitante
« Responder #1 : Fevereiro 16, 2009, 02:27:16 »

Na exegese nós depreendemos que as Escrituras muitas vezes usam o artifício da repetição de idéias para reforçar algum ponto. Esse pensamento é tipicamente judaico, tanto que, para o judeu, o superlativo não existe. O que é feito é a repetição da idéia (com a mesma palavra ou não) para indicar uma ênfase.

Isso se aplica ao "textos tricotomistas".

Abraços!
Registrado
Neto
Super Moderador
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 3027


"O povo... viu uma grande luz" Is 9.2 e Mt 4.16


« Responder #2 : Agosto 25, 2009, 12:10:59 »

Na exegese nós depreendemos que as Escrituras muitas vezes usam o artifício da repetição de idéias para reforçar algum ponto. Esse pensamento é tipicamente judaico, tanto que, para o judeu, o superlativo não existe. O que é feito é a repetição da idéia (com a mesma palavra ou não) para indicar uma ênfase.

Isso se aplica ao "textos tricotomistas".

Abraços!

Então, quando a Bíblia cita "espirito" e "alma", ela quer dizer exatamente a mesma coisa?
Registrado

“A vida má não causa grande dano a não ser a si mesma, mas o ensinamento errado é o maior mal neste mundo, porque leva multidões de almas ao inferno. Não estou preocupado se és bom ou mau, mas eu atacarei teu ensinamento venenoso e mentiroso que contradiz a palavra de Deus.”
Martinho Lutero!
joabe
Membro
**
Offline Offline

Mensagens: 229



« Responder #3 : Setembro 04, 2009, 10:41:14 »

Então, quando a Bíblia cita "espirito" e "alma", ela quer dizer exatamente a mesma coisa?
 
    Para dicotomistas sim, Alma e espirito é a parte imaterial do homem.
« Última modificação: Setembro 14, 2009, 08:07:58 por yosef » Registrado

"Por que a vós vos foi dado, em relação a Cristo,não somente o crer mas o padecer por Ele"
scordamaglio
Visitante
« Responder #4 : Setembro 28, 2009, 12:00:05 »

Então, quando a Bíblia cita "espirito" e "alma", ela quer dizer exatamente a mesma coisa?

Exato!

Mas eu ampliei minha visão sobre isso e digo que a doutrina dicotomista é melhor explicada pelo termo "unidade psicossomática".

Abraços!
Registrado
Raniere Menezes
Membro Emérito
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 4626



« Responder #5 : Setembro 28, 2009, 12:37:46 »

André, fale um pouco mais sobre a "unidade psicossomática", é parecida com o conceito de "ser integral"; "homem integral"; "pessoa total" de Anthony Hoekema?

Link: http://www.monergismo.com/textos/antropologia_biblica/tricotomia_hoekema.htm


Registrado
Paulo Sérgio de Araújo
Visitante
« Responder #6 : Setembro 28, 2009, 02:12:51 »

                        Salve, salve, amigos e irmãos!

     "Taí" um assunto que faz parte daqueles que adoro estudar e debater!


     Pelo muito que já estudei sobre esse assunto, os argumentos em favor da dicotomia, além de serem bem mais numerosos, também são bem mais convincentes e fortes que os a favor da tricotomia.

     Em minha opinião, uma das razões pelas quais a tricotomia é enfraquecida e inviabilizada é que esta posição antropológica possui somente dois textos de "apoio": 1Tesssalonicenses 5.23 e Hebreus 4.12, ao passo que a posição dicotomista possui (desculpem-me a força de expressão) toneladas de textos a seu favor.

     Além disso, atentem para um detalhe extremamente relevante: os dois versículos que aparentemente ensinam a constituição tríplice do homem não podem ser usados para construir uma doutrina antropológica. E por que não? Porque 1Tessalonicenses 5.23 e Hebreus 4.12 não falam absolutamente nada sobre alguma parte imaterial que sai (ou entra) do corpo humano na ocasião da morte. Os contextos nos quais os termos "alma" e "espírito" são usados, nesses dois versículos, nada têm a nos ensinar sobre a constituição humana. Para mim, isso já deixa totalmente sem sentido o uso desses dois versículos para apoiar a tricotomia.
     Entretanto, há inúmeros textos bíblicos que falam de um elemento chamado "alma" ou "espírito" que sai (ou entra) do corpo no momento da morte; ou seja, esses textos bíblicos usam (intercambiavelmente) os termos "alma" e "espírito" num contexto que lida, claramente, com aquilo que acontece no momento da morte do homem.  Portanto, são esses os textos que devem ser empregados para conhecermos sobre antropologia bíblica, e não 1Tessalonicenses 5.23 e Hebreus 4.12.

     Em resumo, para sabermos alguma coisa sobre a constituição humana, devemos recorrer aos textos que usam os termos "alma" e "espírito" em contextos que descrevem como se dá a morte (literal) de pessoas, e não nos textos de 1Tessalonicenses 5.23 e Hebreus 4.12.


     Eu tenho outros argumentos para apresentar em favor da dicotomia, mas por ora deixo só esses dois, pois além da falta de tempo, não quero ser longo e cansativo aos amados leitores... rs



Um abraço a todos.
« Última modificação: Setembro 29, 2009, 12:51:22 por Paulo Sérgio de Araújo » Registrado
Paulo Sérgio de Araújo
Visitante
« Responder #7 : Setembro 28, 2009, 03:39:25 »

     Muito bom esse texto de Anthony Hoekema, Raniere.


     Biblicamente falando, o homem é uma unidade divisível. Na ocasião da criação, Deus criou o homem para que este fosse corpo e alma/espírito vivendo unidos, para sempre. Contudo, o pecado introduziu a morte na humanidade, e a morte, por sua vez, quebra essa unidade antropológica.

Abraços.
Registrado
scordamaglio
Visitante
« Responder #8 : Setembro 29, 2009, 01:55:25 »

André, fale um pouco mais sobre a "unidade psicossomática", é parecida com o conceito de "ser integral"; "homem integral"; "pessoa total" de Anthony Hoekema?

Link: http://www.monergismo.com/textos/antropologia_biblica/tricotomia_hoekema.htm

Exato. Esse livro [Criados à Imagem de Deus] do Hoekema é excelente. Prefiro esse conceito de unidade psicossomática do que o termo dicotomia.

Recomendadíssimo, apesar de estar esgotado na editora já faz um tempo.

Abraços
Registrado
Raniere Menezes
Membro Emérito
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 4626



« Responder #9 : Setembro 30, 2009, 08:21:39 »

Para quem não sabe, a invenção da "doutrina" do "crente carnal" é fruto do conceito da tricotomia.

Trecho explicativo:

Historicamente, o termo "carnal" tem sido usado para se referir a: 1) falsos cristãos, 2) aqueles que estão sob o domínio da natureza caída, 3) aqueles que têm apenas um interesse meramente externo no evangelho, e 4) cristãos que necessitam maturidade e têm problemas comportamentais. Apesar da variedade de aplicações dessa expressão, existe certa unanimidade na interpretação clássica de que a expressão não foi usada por Paulo em 1 Coríntios 3.1-4 para recomendar ou descrever um novo nível ontológico da existência cristã. Paulo usou esta expressão para repreender o comportamento carnal dos coríntios. Como Gordon D. Fee defende: "Paulo faz um ataque frontal e declara que os coríntios não são nem um pouco espirituais." Da mesma maneira, Gaffin afirma que "um crente ‘carnal’ ou ‘não espiritual’ é uma contradição de termos." Com efeito, o único sentido no qual há crentes "não espirituais" é aquele em que "eles mostram um comportamento altamente ‘não espiritual’, que deve ter um fim."

A interpretação histórica tradicional concorda que Paulo não estava introduzindo uma classe opcional e genuína de cristãos em 1 Coríntios 3.1-3. Portanto, isto "não nos incentiva a pensar que é possível aceitar-se Jesus como Salvador e, desta forma, ser promovido do nível ‘natural’ para o ‘carnal’, como em trânsito para o estágio ‘espiritual’, em cujo ponto se aceita Jesus como Senhor." A introdução de um novo nível ontológico de cristãos nesta passagem foi uma adição da exegese da teoria do "crente carnal."

Fonte: http://www.thirdmill.org/files/portuguese/72099~9_19_01_11-23-58_AM~valdeci.htm

 Piscar
Registrado
Matheus ME
Visitante
« Responder #10 : Abril 25, 2010, 01:59:31 »

Minha dificuldade com esse conceito é aquela questão da morte e inconsciência.

Quando Dooyeweerd pronunciou o seu “nada!”, ele estava respondendo a uma questão a respeito de uma idéia do homem que ele próprio não subscrevia: a  de que o homem possuía duas “partes” separadas, um corpo mortal inferior e uma “alma racional” superior, indestrutível e imortal — o ensino dos filósofos gregos antigos. Assim, nós não seríamos justos com Dooyeweerd se aplicássemos suas palavras ao seu próprio entendimento do estado intermediário. Não obstante, devemos admitir que a afirmação é enigmática. Ela tem conduzido muitas a levantar questões a respeito da posição de Dooyeweerd a respeito do estado dos crentes entre a morte e a ressurreição

Se a identidade do homem é o corpo e alma, quando a alma se separa do corpo, a identidade do homem permanece? Cheung (que acredita que o homem é a alma) diz que quando um certo teológo foi questionado  sobre isso, deu de ombros e disse que era um mistério (nem preciso dizer o que Cheung acha dessa resposta ...).
Registrado
Raniere Menezes
Membro Emérito
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 4626



« Responder #11 : Abril 25, 2010, 02:57:06 »

Continuará com dificuldades! Língua

Por enquanto estou com a posição da "unidade psicossomática" que falamos nas postagens anteriores.
Registrado
Ednaldo
Eclesia carismanda!!!
Administrador
Membro Ninja Master
******
Offline Offline

Mensagens: 4692


"Apenas barro nas mãos do oleiro"


WWW
« Responder #12 : Julho 16, 2012, 01:48:45 »

"Tópico vem para fora!!!"

Ontem foi estuda nas classes de jovens e adultos da EBD Bleiana, o tema da morte para o cristão. Em dado momento o comentarista iguala os termos alma e espirito, tratando-os como equivalentes (um dicotomista na bléia além de mim?). Isso causou alguns problemas, um blogueiro assembleiano escreveu algo sobre isso aqui -> [ http://daladier.blogspot.com.br/2012/07/sobre-o-assunto-da-ebd-de-ontem.html ], nesta postagem ele comenta que "...o espírito é o elo de ligação com Deus, a alma é a sede das emoções e da vontade humana. Após a morte eles se juntam, é uma dedução lógica."

Sei que a maioria aqui é dicotomista, mas mesmo assim pergunto, vai que há um rebelde entre nós, onde na Escritura...

  • ... é afirmado que o espírito é o elo de ligação com Deus?
  • ... é afirmado que a alma é a sede das emoções e vontade humana?
  • ... é afirmado que ele [alma e espirito] se juntam após a morte?

E se isso não é afirmado nas Escrituras, de onde tiraram isso?
Registrado

Deus é Amor, Cristo a Verdade, logo Amor e Verdade andam juntos
Non enim possumus aliquid adversus veritatem sed pro veritate
Jean Felix
Moderador
Membro Ninja
******
Offline Offline

Mensagens: 774


Pecador salvo pela graça.


WWW
« Responder #13 : Julho 17, 2012, 04:01:54 »

"Tópico vem para fora!!!"

Ontem foi estuda nas classes de jovens e adultos da EBD Bleiana, o tema da morte para o cristão. Em dado momento o comentarista iguala os termos alma e espirito, tratando-os como equivalentes (um dicotomista na bléia além de mim?). Isso causou alguns problemas, um blogueiro assembleiano escreveu algo sobre isso aqui -> [ http://daladier.blogspot.com.br/2012/07/sobre-o-assunto-da-ebd-de-ontem.html ], nesta postagem ele comenta que "...o espírito é o elo de ligação com Deus, a alma é a sede das emoções e da vontade humana. Após a morte eles se juntam, é uma dedução lógica."

Sei que a maioria aqui é dicotomista, mas mesmo assim pergunto, vai que há um rebelde entre nós, onde na Escritura...

  • ... é afirmado que o espírito é o elo de ligação com Deus?
  • ... é afirmado que a alma é a sede das emoções e vontade humana?
  • ... é afirmado que ele [alma e espirito] se juntam após a morte?

E se isso não é afirmado nas Escrituras, de onde tiraram isso?

De onde tiraram, não sei, só sei que aprendi assim, mas nunca soube muito bem como conciliar isso.
Registrado

Fiz uma aliança com Deus: que Ele não me mande visões, nem sonhos nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo o que preciso conhecer tanto para esta vida quanto para a que há de vir. Martinho Lutero
santanaao
Assim é a Palavra de Deus
Visitante Ativo
*
Offline Offline

Mensagens: 53


"Nem só de pão viverá o homem" Lucas 4.4


« Responder #14 : Fevereiro 19, 2013, 01:58:00 »

Acho que Alma e Espírito e uma coisa só. a bíblia não fala que no grande dia nosso corpo vai ser ressucitado, e seremos transformados, então por que tem divisão entre corpo e alma, e mais, entre corpo, alma e espírito? Hein??? Hein??? Hein???

Registrado

Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intençöes do coração. (Hebreus 4:12)
Páginas: [1] 2
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.13 | SMF © 2006-2009, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!