Outras Categorias

20 de abril de 2011

O que não é Teonomia

Mais artigos de »
Escrito por: Greg L. Bahnsen
Resposta de Bahnsen a uma resenha injusta sobre o seu teonomismo. Bahnsen cita os trechos da sua obra prima, Theonomy in Christian Ethics, como prova de que o revisor estava equivocado.

Eu NÃO defendo uma nova versão de pós-milenismo na qual o mundo é radicalmente transformado por meio de ação social, e não através de um reavivamento evangélico; rejeito essa versão que exige a imposição da lei sobre nações que não chegaram à fé pela graça de Deus [Theonomy, págs. 191ss., 257, 422, 427, 278, 486, 489, também os capítulos 4 e 7].

Eu NÃO penso que o mandato cultural tenha uma importância superior à da Grande Comissão, nem tenho um conceito do Reino que minimiza o papel da Igreja [Theonomy, págs. 33-34, 35-36, 177-181, 199-203, 521ss., 546, também os capítulos 20 e as páginas citadas no parágrafo anterior].

Eu NÃO apoio nenhuma forma de “novo legalismo” que ignora a distinção entre o Antigo e Novo Pacto [Theonomy, capítulos 3, 4, 8, 9, 13, e págs. 218ss., 491].

Eu NÃO defendo que as exigências dietéticas do Antigo Testamento devem ser praticadas hoje [Theonomy, págs. 209-210, 228].

Eu NÃO vejo os mandamentos econômicos, civis e penais de Deus no Antigo Testamento como adições estranhas à “lei moral” que une todos os homens em suas princípios fundamentais [Theonomy, passim, mas especialmente os capítulos 2, 16-23, e o apêndice 2].

Eu NÃO apresento um ponto de vista radicalmente novo ou surpreendente àqueles de nós que temos grande estima pelos Puritanos [Theonomy, apêndice 3, também o capítulo 1 e as citações de teólogos reformados ao longo do livro].

 

Fonte: Covenant Media Foundation

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/201



Sobre o Autor

Greg L. Bahnsen





 
 

 

Apontamentos da história da Assembleia de Westminster

A Assembleia de Teólogos de Westminster (1643-1649) foi um grande marco histórico e teológico que fechou um ciclo dourado de produção de documentos confessionais.
por Raneire Menezes
 

 
 

29 de janeiro: meu dia.

29 de janeiro sempre foi dia de festa em minha casa. Ao menos em meu coração. O dia continua impregnado em minha alma, embora com um sabor diferente desde 2006. Afinal, em 16 de julho de 2005 faleceu Francisco Sabino de Araú...
por Felipe Sabino
 

 
 

Jesus Cristo, o ungido do Senhor, reina para sempre

O salmo dois, exuberantemente messiânico e centrado no senhorio de Deus sobre todas as coisas, principia revelando aquela que é a essência do pecado, a rebelião do homem contra o criador; e a recusa do homem em se submeter ...
por José Mario Silva
 

 

 

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *