Teologia Reformada

14 de novembro de 2013
 

Um Compêndio da Religião Cristã

Mais artigos de »
Escrito por: Hermanus Faukelius
Tags:

Esse Compêndio da Religião Cristã pode ser considerado uma forma abreviada do grande Catecismo de Heidelberg. Desde a sua composição, no começo do séc. XVI, este documento tem sido usado pelas igrejas da Holanda, assim como pelas igrejas holandesas na África do Sul somando mais de 400 anos de uso nas igrejas reformadas! Este catecismo foi utilizado também nos Estados Unidos, pela Reformed Church of America1 durante os seus primeiros anos.

Seu autor, Hermanus Faukelius, é pouquíssimo conhecido. Nascido na cidade de Bruges em 1558, ele se tornou ministro da Reformed Church of Middelburg, cidade ao sudeste da Holanda capital da província de Zeeland cidade onde Faukelius permaneceu até a sua morte, em 9 de maio de 1625.

A pedido dos presbíteros ele preparou esse documento a fim de que os jovens pudessem memorizálo com mais facilidade, uma vez que o Catecismo de Heidelberg catecismo oficial das igrejas holandesas , com suas 129 perguntas e respostas, é bastante extenso. O Compêndio contém 74 breves perguntas e respostas dividas em 3 partes: (1) a miséria do homem, (2) a libertação do homem e (3) a gratidão que devemos a Deus pela redenção.

Este belo documento não possuía nenhum reconhecimento oficial nas igrejas reformadas holandesas até o famoso Sínodo de Dordrecht, que se reuniu entre 1618 e 1619. Seu uso como uma valiosa ferramenta de ensino foi então recomendado.

(Leia em PDF)



Sobre o Autor

Hermanus Faukelius




 
 

 

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 
 

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman