Vida Cristã

15 de março de 2011

Amantes e seu Deus Amoroso

Mais artigos de »
Escrito por: Mark Driscoll

Foto extraída do album de família: Mark e Grace em 1989, no seu primeiro Dia dos Namorados.

 

Embora seja necessário o esforço de um único cônjuge para que o casamento seja amigável, requer-se a participação de ambos para que eles sejam amigos. Quando os dois cônjuges são hostis, o casamento é marcado por conflito e frieza. Quando um cônjuge é amigável e o outro hostil, o casamento é marcado por egoísmo e tristeza. Mas quando os dois cônjuges fazem um pacto profundo e real com Deus de continuamente buscarem se tornar melhores amigos, o casamento é marcado por um amor e desejo cada vez maior.

Guarde o seu Coração

Tristemente, é comum ouvir pessoas casadas falar que estão “perdendo a paixão” por seu cônjuge e que estão “caindo de paixão” por outra pessoa, em adultério. Ao usar a linguagem de “caindo”, tais pessoas estão astutamente evitando qualquer responsabilidade, como se fossem simplesmente obrigadas a seguir o seu coração. Contudo, a Bíblia não manda que sigamos o nosso coração, mas sim que o “guardemos”, pois ele é propenso ao pecado e ao egoísmo (Pv 4.23; Jr 17.9).

De acordo com a Bíblia, o amor não procede do nosso coração, mas sim por meio do nosso coração. O motivo é que “Deus é amor”, e em relacionamento com Deus por meio de Jesus Cristo pelo Espírito Santo recebemos o amor de Deus para compartilhar com os outros (1 João 4.7-21). É através da presença de Deus o Espírito Santo em nossa vida que somos capazes de amar o nosso cônjuge com o amor de Deus. Gálatas 5.22 diz que “o fruto do Espírito é o amor”. Também, Romanos 5.5 diz: “O amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. Mesmo quando não sentimos estar apaixonados por nossos cônjuges, podemos dar-lhes amor e receber amor deles se vivemos uma vida cheia do Espírito.

Amor é um Verbo

Na Bíblia, o amor é frequentemente um sentimento. Contudo, em vez de ser um sentimento que promove ação, com frequência amor é uma ação baseada na obediência a Deus que resulta num sentimento para com o nosso cônjuge. Isso explica o porquê a Bíblia ordena que os maridos amem as suas esposas (Ef 5.25) e as esposas amem os seus maridos (Tito 2.4), em vez de ordenar que eles sintam amor. Tal fato ainda explica o porquê a Bíblia ordena que amemos até mesmo os nossos inimigos (Mt 5.43-47).

Dessa forma, amor é um verbo na Bíblia. Amor é o que fazemos. Como o amor de Jesus por nós, o amor marital é um comprometimento pactual que nos compele a agir para o bem do nosso cônjuge. Isso explica também o porquê aquilo que talvez seja os votos mais populares de casamento na Escritura descreva o amor como uma série de verbos, ou coisas a serem feitas: “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Co 13.4-7).

Amor Pactual

O casamento cristão são atos recíprocos de amor pactual. Isso inclui as coisas pequenas, tais como nem sempre fazer a nossa vontade, mas ir jantar em um restaurante, assistir a um filme e fazer a atividade que nosso cônjuge gosta. Inclui também estudar nossos cônjuges para encontrar formas nas quais podemos dar-lhes amor e receber amor deles para edificar a nossa amizade.

De que formas seu cônjuge tem te amado com o amor de Deus? De que formas você tem falhado em amar seu cônjuge com o amor de Deus?

 

Fonte: http://theresurgence.com/2011/02/14/lovers-and-their-loving-god

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / março de 2011



Sobre o Autor

Mark Driscoll
Pastor Mark Driscoll fundou a igreja Mars Hill (www.marshillchurch.org) em Seattle (1996). Em seu ultimo relatório (2010) a igreja obteve crescimento acima de 12,000 membros em uma cidade até então conhecida como cemitério de igrejas. A igreja reúne-se em sete diferentes localidades na área da baía de Puget Sound, com vinte cultos semanais transmitidos via satélite da sede no bairro de Ballard. Em 2008, Mars Hill foi apontada pela revista Outreach (Alcance) como a segunda igreja mais inovadora da América.




 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_ch

Dispensacionalismo: uma crítica abreviada

O artigo “Dispensacionalismo: uma crítica abreviada” é uma versão abreviada do livro Dispensationalism Today, Yesterday, And Tomorrow de Grover Gunn e Curtis Crenshaw.
por Grover Gunn
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *