Ministério da Igreja

15 de julho de 2015
 

Aos pais pedobatistas

Mais artigos de »
Escrito por: Mark Jones
Tags:
marca_dagua_banners_ch

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim.

Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e maldições, é iniciado por um Deus gracioso, que sempre tem de começar um relacionamento pactual com o seu povo. Mas as responsabilidades, promessas e ameaças não estão vinculadas unicamente ao indivíduo. Elas são responsabilidades, promessas e ameaças corporativas. O batismo é batismo em Cristo, e tudo o que isso significa (p. ex., batizados em seu corpo).

O temor de Deus resulta do fato que ele escolheu identificar-se com os meus filhos. Em outras palavras, meus filhos não são, fundamentalmente falando, meus filhos. Eles são, por meio do batismo, filhos de Deus. O batismo é uma cerimônia de adoção por meio da qual a criança batizada é publicamente trazida para dentro do reino de Deus, a sua família. A ideia de criar os filhos de Deus é, de fato, séria.

O batismo não é um sinal da fé do meu filho. Antes, batismo é um sinal para o qual ele deve olhar e receber pela fé até a morte. A circuncisão não era um sinal de fé, mas um sinal que a fé abraçava ou para o qual olhava (cf. Rm 4.11). O batismo representa Cristo (Gl 3.27), em quem a nossa fé deve descansar. No batismo, Deus toma a iniciativa para com os nossos filhos. Ele lhes é favorável (“Você é meu filho, a quem eu amo”), e eles respondem em fé ao seu “cortejo”.

De forma crucial, como um pai, quando as águas do batismo são despejadas sobre a cabeça do meu filho, sou confrontando com a séria — porém gloriosa — realidade de que estou criando os filhos de Deus para a sua glória. Porque os meus filhos pactuais pertencem a Deus e a Cristo, em termos da natureza da igreja visível, os riscos são altos. Muito altos.

Sim, nós temos a promessa (At 2.39), mas o batismo é, também, uma lembrança solene para aqueles que não respondem em fé, esperança e amor ao Deus que pôs o seu selo sobre eles. O selo do batismo é mais permanente do que uma tatuagem, pois tem consequências eternas — seja para o bem, ou para o mal. O batismo é um alerta aos pais de que eles não podem “pegar leve” ou presumir sobre a graça de Deus. Eles são, afinal, investidos com a responsabilidade de criar os filhos de Deus. E por isso os pais devem ser, como os pioneiros da nossa fé (Hb 12.2), exemplos para os seus filhos do que significa viver pela fé.

Eis a razão de um batismo público ser tão importante: pais fazem votos em público perante Deus e a igreja. No batismo, Deus visivelmente nos comunica palavras de graça, e nós, por nossa vez, respondemos. Essa é a orientação pactual encontrada nas Escrituras.

Ora, se a realidade de que você está criando os filhos de Deus o induz a ser negligente em sua abordagem do culto doméstico, da adoração comunitária, educação, admoestação, ensino, disciplina, etc., em relação aos seus filhos, então você pode não ter um entendimento adequado do Deus da Bíblia.

A dinâmica pactual em que pais e filhos entram é aquela em que rejeitar a Cristo, que é oferecido no batismo, traz aqueles que rejeitam semelhante graça para debaixo de uma maldição divina. É por isso que, na Ceia do Senhor, você pode comer e beber juízo para si mesmo se o fizer em incredulidade (1 Co 11.29).

Assim, o batismo infantil é Deus tomando a iniciativa de pregar o evangelho e chamando o filho a arrepender-se, crer, e viver, para o resto de sua vida, para a glória do único em cujo nome ele é incorporado, ou encarar a terrível realidade de que os violadores do pacto haverão de enfrentar um julgamento mais severo do que aqueles que nunca receberam tais bênçãos. Os pais não deveriam ser ignorantes dessas coisas. Pois a quem muito é dado, muito é esperado.

Como bem disse Lutero, “Nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo, quando disse Poenitentiam agite [lat. Arrependei-vos], quis que a vida toda dos crentes fosse arrependimento”. Nada mau para quem cria na regeneração batismal — um assunto ao qual voltarei no Outono, querendo Deus.

 

 

Fonte: http://www.reformation21.org/
Tradução: Leonardo Galdino (julho/2015)



Sobre o Autor

Mark Jones
Mark Jones
O Rev. Dr. Mark Jones é ministro da Faith Presbyterian Church (desde 2006), uma congregação da Presbyterian Church in America (PCA), em Vancouver (British Columbia)



 
 

 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 
 
marca_dagua_banners_rosa

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman
 

 

 
marca_dagua_banners_a

A adoração a Baal

Eis o novo lançamento em kindle da Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Cura e a soberania de Deus

Quando cristãos se referem à soberania de Deus no contexto de milagres de cura, em geral é para explicar o por quê curas raramente ou mesmo nunca acontecem — para eles.
por Vincent Cheung
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino