Apologética

5 Perigos para Missionários em Contextos de Honra e Vergonha por Elliot Clark

By 15 de agosto de 2018 No Comments

O Ministério dentro das culturas de honra e vergonha é um tópico amplamente discutido hoje. A maior parte do mundo e especialmente o Oriente, como percebemos, não pensa da maneira que pensamos. De certo modo, eles trabalham em um sistema operacional completamente diferente, o que significa que missionários ocidentais devem adaptar sua linguagem padrão e “codificação” ao apresentar o Evangelho.

A consciência cultural é o primeiro passo, embora a adaptação cultural completa não seja o objetivo necessário. Este é o caso em qualquer contexto, ocidental ou não. Perigos inevitáveis ​​espreitam quando alguém tenta contextualizar a mensagem do Evangelho para uma determinada cultura. Assim, enquanto grandes avanços foram feitos no Evangelismo, no que se refere aos contextos de vergonha e honra, o pêndulo proverbial pode ir longe demais.

Aqui estão cinco perigos que vejo para aqueles que procuram ministrar em contextos de vergonha e honra. Reconhecê-los nos protegerá da inútil correção exagerada.

1. Desconectar a Honra da Obediência

O viés ocidental, sem dúvida, afeta nossa leitura das Escrituras. Você pode ter notado isso em uma interpretação comum de Romanos 3:23. Alguns simplesmente falam de errar o alvo ou de deixar de obedecer perfeitamente à lei de Deus. Mas isso não é exatamente o que Paulo diz. Antes, ele iguala o pecado com a glorificação imperfeita e incompleta a Deus.

Desenterre as raízes sujas da pecaminosidade e morte humanas, e você encontrará desonra. Adão e Eva não honraram a Deus nem foram gratos, por isso desobedeceram à Sua palavra. Este é o padrão de toda a pecaminosidade (Rom. 1:21). Fundamentalmente, o problema humano é de não glorificar a Deus como Ele merece.

Mas o testemunho bíblico não termina aí. João define sucintamente o pecado como ilegalidade (1 João 3:4). Em vez de contradizer Paulo, essa definição realmente nos ajuda a ver a ligação entre honra e obediência (veja Rom. 1). Quando Adão falhou em honrar a Deus, ele transgrediu a lei.

Nós desonramos desobedecendo. Então, Jesus pode dizer: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” (João 14:15). Ou Paulo pode reafirmar o quinto mandamento de honrar pai e mãe escrevendo: “obedecei a vossos pais” (Ef. 6:1).

2. Ignorar as Raízes Bíblicas (Orientais) da Lei e da Culpa

Um missionário uma vez me relatou que a lei é basicamente um conceito ocidental, único na história de certas culturas. Mas a Bíblia deixa claro que os mandamentos e a culpa são tão antigos quanto a humanidade. Além disso, a lei de Moisés é um antigo documento do Oriente Próximo – e mais que um mero artefato da cultura judaica. É a própria Palavra de Deus.

Devemos reconhecer, então, que Deus sempre se relacionou com o povo da aliança por meio de promessas e mandamentos. Em Adão, como em Cristo, Deus escolheu relacionar-se com toda a humanidade através de liderança e imputação. Culpa e inocência são, portanto, conceitos universais.

Além do mais, Paulo sugere que o mundo inteiro é condenado pela lei (Romanos 3:19), mesmo que essa lei seja a sua própria consciência testemunhando contra eles (Romanos 2.14-16).

Se as pessoas não têm um sentimento de culpa ou vergonha diante do justo requisito da lei de Deus, isso não é um subproduto de uma cosmovisão imparcial, mas uma rejeição ativa dos padrões de Deus. Está fugindo da revelação, natural ou especial.

Então, se nós como evangelistas evitamos falar sobre lei e culpa em contextos de vergonha e honra, nós abandonamos um dos meios designados por Deus para revelar nossa necessidade de Cristo.

3. Cometer o Erro que Você Deseja Corrigir

Assim como o Ocidente tem sido cego de muitas maneiras para o significado de honra e vergonha nas Escrituras, podemos cometer um erro similarmente notório nas culturas orientais se ignorarmos conceitos de lei e culpa. Em outras palavras, os missionários correm o risco de cometer o mesmo erro que desejam corrigir.

É verdade que os cristãos ocidentais precisam despertar para suas próprias inclinações em direção ao materialismo e ao consumismo. Eles precisam ficar cara a cara com a profunda realidade bíblica da vergonha e da exclusão social. Eles precisam ver, por exemplo, que o inferno do castigo eterno é a separação da presença de Deus. Eles precisam ver a interdependência e o amor familiar na igreja, em vez de individualismo ou intelectualismo puro. De fato, poderíamos dizer que essas lições de contracultura não são terciárias, mas centrais.

Mas se assim for, a mesma realidade deve ser verdadeira para nossos irmãos e irmãs em contextos de vergonha e honra. Se suas culturas caseiras são cegas para certos aspectos da revelação bíblica – especialmente aquelas tão fundamentais como lei e retidão e culpa e imputação – então a solução não deve ser evitar tais conceitos.

4. Permitir que a Cultura, Não as Escrituras, Seja Normativa

Por trás de tudo isso está o antigo problema do sincretismo, quando o cristianismo não transforma a comunidade, mas simplesmente se conforma aos padrões ou estruturas existentes. No sincretismo, o cristianismo é acrescentado aos organismos religiosos e culturais predominantes, como um ramo enxertado. Pode florescer – e freqüentemente acontece – mas o princípio orientador permanece na videira cultural existente.

Na antropologia, falamos de normas culturais. Tal nomenclatura revela algo sobre a natureza da cultura: ela se torna uma lei (norma) em si mesma. Ela define os padrões. Produz valores e costumes. Isso exige um comportamento adequado. Até normatiza nossas próprias percepções e emoções.

Mas esse é o papel da Palavra de Deus para a comunidade cristã. Quando lemos, podemos tender a procurar por partes que se relacionam conosco, que se traduzem em nossa cultura. Mas a Palavra de Deus nunca foi destinada a ser usada tão simplesmente. Na igreja, Cristo deveria ser a norma dominante, e Ele governa sua igreja através da Escritura adequadamente manuseada e corretamente interpretada.

5. Interpretar Erroneamente o Discipulado Bíblico

Em outras palavras, a Bíblia não nos fornece apenas uma variedade de alternativas de discurso para nos comunicarmos em contextos díspares. Em vez disso, fornece uma análise abrangente da humanidade da perspectiva de Deus. Ela nos diz o que devemos pensar de nós mesmos e de nossas culturas. O que significa que os paradigmas da inocência-culpa – tenho especialmente em mente as pesadas categorias teológicas de propiciação, justificação, imputação e santificação – têm um lugar em nosso discipulado.

Dito isso, acredito que seja útil contextualizar o Evangelho no evangelismo. Devemos, como Jesus e Paulo, procurar pontes naturais para nosso público. Devemos falar uma língua que eles entendem. Devemos conhecê-los em seu próprio território. Devemos ser claros sobre o evangelho, baseando-nos em sensibilidades culturais ou mesmo necessidades sentidas, seja impureza ou impotência ou escuridão ou vergonha. O Evangelho fala para todos eles.

Mas isso não significa que devemos cooperar com todo o discipulado cristão nos valores de uma dada cultura. Nunca devemos menosprezar a lei de Cristo ou a centralidade da obediência como seu discípulo. Se uma cultura diminui a desobediência ou não tem categorias para transgressão, a solução não é contornar o problema. É ensinar aos crentes que honrar o Mestre significa seguir seus passos.

Nota dos editores: Uma versão deste artigo foi publicada anteriormente no IMB.

Elliot Clark (MDiv, The Southern Baptist Theological Seminary) viveu na Ásia Central, onde serviu como plantador de igrejas interculturais, junto com sua esposa e filhos Atualmente, ele está treinando líderes de igrejas locais no exterior com a Training Leaders International. Traduzido por Felipe Barnabé.

SEO: Assim como os ocidentais podem perder o significado bíblico de honra e vergonha, nós erramos nas culturas orientais se minimizamos a lei e a culpa.