All Posts By

Editora Monergismo

CosmovisõesTeologia

10 coisas que você precisa saber sobre a Bíblia como literatura – Leland Ryken

A ideia da Bíblia como literatura não começa na era moderna. Como fiz carreira como defensor da Bíblia como literatura por meio século, adotei a estratégia de primeiro limpar do terreno as concepções equivocadas e só depois fazer a defesa positiva da importância de ler e interpretar a Bíblia preservando sua natureza literária. Uma vez que a expressão “bíblia como literatura” entrou em cena em meados do século XX, é compreensível que evangélicos tenham receio da ideia. Contudo, grandiosos baluartes teológicos do passado, como Agostinho, Lutero e Calvino, jamais duvidaram de que a Bíblia tivesse qualidades literárias.   Ver a Bíblia como literatura não é necessariamente um sinal de liberalismo teológico. Como os eruditos bíblicos liberais estão mais inclinados que os conservadores a adotar abordagens literárias da Bíblia, é fácil associar tais abordagens ao liberalismo teológico; no entanto, não há conexão necessária entre eles. Começo meu curso de literatura na Bíblia com a leitura de dez declarações de autores bíblicos sobre a natureza singular da Bíblia – sua inspiração, sua infalibilidade e assim por diante. Em seguida, digo que, para mim, um estudo literário da Bíblia começa onde começa qualquer outro estudo dela – afirmando como verdade tudo que a…
31 de julho de 2019
CosmovisõesTeologia

10 coisas que você precisa saber sobre poesia – Leland Ryken

Deus espera que você compreenda e aprecie poesia. Esta não é uma declaração tão polêmica quanto parece. Sabemos que Deus espera que compreendamos e apreciemos poesia porque cerca de um terço da Bíblia está em forma poética. Para começar, temos livros poéticos como os Salmos e os Cantares de Salomão. Depois, temos os livros proféticos, em que grandes porções são expressas de forma poética. Além disso, há o livro de Apocalipse, vazado sobretudo em imagens e símbolos. E, ademais, as epístolas estão saturadas de imagens e metáforas.   Jesus é um dos poetas mais famosos do mundo. Como Jesus nunca se proclamou poeta, não costumamos pensar nele como tal, mas esta é uma omissão. Os discursos de Jesus valem-se muitíssimo da linguagem poética: “vós sois a luz do mundo”; “eu sou o pão da vida”. Adicionalmente, os ditos de Jesus são altamente aforísticos, e a beleza verbal é um elemento eminente da poesia. Assim, se começarmos com o fato de que os discursos e os ditos de Jesus estão entre os mais famosos do mundo, e acrescentarmos nossa consciência de que essas declarações são altamente poéticas na forma, é apropriado pensar em Jesus como um poeta famoso.   A poesia…
29 de julho de 2019
IgrejaReformaTeologia

O Sínodo de Dort [John R. de Witt]

Os cristãos, em todas as partes do mundo, estão celebrando este ano o 350º. aniversário da convocação do Sínodo de Dort. Para a maioria das pessoas o nome nem é mesmo familiar, talvez por ter alguma relação com o rio Maas e a provinciana cidade holandesa de Dort. Na mente daqueles que já o ouviram, muito freqüentemente o que restou é algo do ódio há tanto relacionado com o Sínodo, em razão das calúnias de seus inimigos. Não obstante, quando a Reforma era ainda jovem e os homens amavam ardentemente as doutrinas da graça, o nome de Dort era famoso em todo o mundo protestante. William Cunningham vai longe em dizer: “O Sínodo de Dort, representando quase todas as igrejas reformadas, e contendo uma grande proporção dos teólogos do mais alto nível, erudição e caráter, tem direito a maior medida de respeito e deferência do que qualquer outro concílio registrado na história da Igreja” . Isto é de fato um grande elogio! Mas há muitos grandes nomes na história que em algum tempo significaram muito, mas que agora não têm nenhum significado prático. Então, alguém poderia perguntar por que deveríamos estar preocupados com uma assembléia eclesiástica esquecida pela maioria dos…
18 de julho de 2019
Livros

A FILOSOFIA DA REVELAÇÃO – Sumário e Prefácio de Dr. James Eglinton e Rev. Gustavo Monteiro

Sumário Prefácio ........................................................................................................... 9 Prefácio à edição brasileira ........................................................................... 11 Prefácio do tradutor ...................................................................................... 29 Sumário analítico ........................................................................................... 47 I. A ideia de uma filosofia da revelação ............................................... 51 II. Revelação e filosofia ............................................................................ 81 III. Revelação e filosofia (continuação) .................................................. 103 IV. Revelação e natureza ........................................................................... 129 V. Revelação e história ............................................................................ 153 VI. Revelação e religião ............................................................................. 175 VII. Revelação e cristianismo .................................................................... 197 VIII. Revelação e experiência religiosa ...................................................... 223 IX. Revelação e cultura ............................................................................. 255 X. Revelação e futuro ............................................................................... 277 Apêndice O contexto das Palestras Stone de Herman Bavinck: cultura e política em 1908 ........................................................................................................... 315 Sobre o autor .................................................................................................. 333 Índice de nomes ............................................................................................. 335   Prefácio à edição brasileira por Dr. James Eglinton e Rev. Gustavo Monteiro Por que uma filosofia da revelação? Como devemos entender o mundo e nosso lugar nele? As ciências naturais são o melhor (ou único) modo de compreendermos o cosmos e tudo que nele se encontra? Como deveríamos entender a existência e progresso da cultura humana neste mundo? É possível pensar de modo significativo sobre a história ou sobre o futuro? Por que a religiosidade é norma, ao invés da exceção, através das culturas humanas? E qual é…
19 de junho de 2019
Livros

Posfácio de Rejeição à HUMANIDADE por Daniel B. Wallace

Rejeição à HUMANIDADE de Rushdoony POSFÁCIO Rushdoony, neoplatonismo e uma visão bíblica do sexo Daniel B. Wallace, Ph.D. Sou um cristão, desavergonhadamente. Mas para que vocês não pensem que vim aqui hoje simplesmente para dizer “A fidelidade num relacionamento monogâmico é o único caminho correto — tudo mais é pecado!”, gostaria de deixá-los tranquilos. Eu de fato acredito nisso, mas há razões para minha fé. Se você não é cristão, você pode se interessar em ouvir a razão para a visão cristã do sexo e casamento. Por mais alheia que a filosofia aparentemente esteja em relação a uma conversa sobre sexo, é necessário, no entanto, recorrer a alguns fundamentos filosóficos a fim de refletir apropriadamente sobre sexo. Consequentemente, tratarei de dois tópicos nesta palestra: (1) concepções equivocadas sobre a visão bíblica do sexo e (2) o ensino bíblico sobre sexo e casamento. I. Concepções equivocadas sobre a visão bíblica do sexo: Rushdoony vem ao resgate! Contrariamente à opinião popular, Deus não é um estraga- prazeres cósmico. Ele não está nos céus para arruinar nossa diversão! Infelizmente muitos conceberam Deus dessa forma ao longo dos séculos. Alguns chegaram até mesmo a castrar-se supostamente em obediência à vontade divina. Em certa medida, isso se…
22 de maio de 2019
Livros

“Redimindo a filosofia” de Vern S. Poythress – Sumário

PRÉ-VENDA promocional com 50% de desconto: «Redimindo a filosofia» Sumário Parte 1 – Problemas básicos na investigação das grandes questões 1. As grandes questões sobre a vida ................................ 13 2. A Bíblia como um recurso ........................................... 23 3. Abordagens opostas à filosofia .................................... 29 Parte 2 – Metafísica: o que existe? 4. Filosofias inadequadas .................................................. 43 5. A metafísica cristã ......................................................... 51 Parte 3 – Perspectivas 6. Apresentando as perspectivas ...................................... 61 7. Multiperspectivismo ..................................................... 73 8. Perspectivas sobre Deus ............................................... 117 9. Perspectivas sobre o mundo ........................................ 133 10. Perspectivas através da linguagem .............................. 147 11. Implicações para a teologia .......................................... 161 Parte 4 – Exemplos de análise metafísica 12. A metafísica de uma maçã ........................................... 175 13. A metafísica da caminhada .......................................... 203 14. A metafísica de um marcador de páginas .................. 223 15. Perspectivas em combinação ....................................... 229 Parte 5 – Outras subdivisões da filosofia 16. Ética ................................................................................. 241 17. Epistemologia ................................................................ 249 18. A alma, a mente e a psicologia .................................... 279 19. Lógica .............................................................................. 285 20. Estética ............................................................................ 289 21. Ramos especializados da filosofia ............................... 295 Parte 6 – Interagindo com filosofias defeituosas 22. O desafio das filosofias.................................................. 305 23. Immanuel Kant .............................................................. 309 24.…
15 de maio de 2019
Teologia

Para adorar a Deus devemos adorá-lo como o Deus Trino – por R. J. Rushdoony

A trindade 27 de julho de 1954 Bom dia, amigos. Na reserva indígena em que passei oito anos e meio antes de vir para Santa Cruz, havia um ancião cuja vida e experiência limitava-se àquela área. Como resultado, as únicas árvores que ele conhecia eram pinheiros, juníperos, cedros, choupos, salgueiros, álamos tremedores e que tais, árvores da região, nenhuma delas grandiosa. Pode-se imaginar seu desgosto quando, alguns anos atrás, ele ouviu um missionário falar sobre as grandes sequoias na encosta da Sierra, descrevendo uma árvore em particular como tão grande que um carro, ou até mesmo um ônibus, poderia atravessar o centro oco daquela sequoia viva. O velho índio levantou-se e saiu imediatamente, comentando do missionário: “Esse homem é o maior mentiroso que já vi”. Agora, antes de rir daquele homem idoso, seria melhor lembrar-nos de nossa própria tendência a duvidar do que está além de nossa experiência. Tendemos a limitar o possível ao que sabemos e ao que cremos que seja possível. Temos outra fraqueza. Tendemos a interessar-nos pelas coisas somente por causa de sua relação conosco. Tendemos a interessar-nos pelas pessoas somente pelo que representam para nós, em vez de pelo que são em si mesmas. O dinheiro…
29 de abril de 2019
Teologia

O que é Deus? por R. J. Rushdoony

1. Deus 15 de junho de 1954   Bom dia, amigos. Vez por outra, nossos filhos nos surpreendem com uma pergunta simples, mas de escopo vasto, e nos deixam à procura de respostas. Uma dessas perguntas é: “Quem é Deus?” ou “o que é Deus?”. Como responderemos a essa pergunta, tanto a nós mesmos quanto a nossos filhos? Afinal, o que é Deus? A pergunta não é nova. Há muito tempo, no monte Horebe, um pastor chamado Moisés recebeu a ordem de voltar ao Egito e libertar seu povo do cativeiro. Moisés hesitou diante da ordem divina, dizendo que o povo questionaria sua autoridade. “Que lhes direi?”, questionou, “se me perguntarem seu nome, isto é, a definição do Deus que me envia?” “Deus disse a Moisés: Eu sou o que sou. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós outros” (Ex  3.14). Como Deus definiu-se ou nomeou-se a Moisés? Como o autoexistente e autossuficiente. Deus não apelou a nada que conhecemos para declarar-se a si mesmo: Simplesmente afirmou: Eu sou o que sou.   Como compreenderemos esta definição? A primeira e mais importante ideia é a seguinte: Deus recusou-se a definir-se a si mesmo;…
22 de abril de 2019
Livros

“Um método trinitário neocalvinista de apologética” Prefácio de David T. Koyzis e Sumário

Um método trinitário neocalvinista de apologética: Reconciliando a apologética de Van Til com a filosofia reformacional Guilherme Braun Jr.   Prefácio Foi na juventude que tive o primeiro contato com a visão reformacional de Abraham Kuyper e seus sucessores. Cativou-me a noção de que a fé cristã tem implicações para a totalidade da vida e que não há um centímetro quadrado sequer em toda a extensão do cosmo acerca do qual Deus, em Cristo, não diga: “É meu!”. Fundamentado nessa convicção, aprendi rapidamente a rejeitar a divisão do cosmo nos domínios “sagrado” e “secular”, e passei a ver que mesmo áreas como a economia, política, artes e as ciências naturais estão enraizadas em pressupostos básicos de caráter religioso. À época, como aspirante a cientista político, fiquei fascinado especialmente com a perspectiva neocalvinista sobre a vida política, que articula uma alternativa à teocracia, por um lado, e ao secularismo, por outro. Naquele momento, Kuyper não era muito conhecido em meio aos evangélicos norte-americanos, mas isto mudaria com a chegada do século XXI. Agora cada vez mais cristãos conhecem a citação do “não há um centímetro quadrado sequer” e (assim esperamos) esforçam-se por viver segundo ela. Um interesse paralelo pela filosofia me…
25 de fevereiro de 2019
Teologia

2 razões pelas quais a Trindade é importante por Justin Dillehay

Quanto a Trindade significa para você? Se você descobrisse amanhã que Deus, na verdade, é uma pessoa ao invés de três, seu relacionamento com Ele ficaria diferente? Precisaria de uma drástica revisão na maneira que você pensa, testemunha ou ora? Quanto a Trindade significa para você, pessoalmente? Quanto a Trindade importa para a sua igreja? Se você descobrisse que seu amado e jovem pastor se tornou um modalista convicto – agora ele insiste que o Pai, o Filho e o Espírito na verdade são uma pessoa em três manifestações ao invés de três pessoas distintas – a sua igreja o excomungaria? Ou isso pareceria como perder-se em minúcias? O Credo Atanasiano realmente está certo ao dizer: “Quem quiser ser salvo deve pensar assim da Trindade. E quem quer que rejeite essa fé irá perecer eternamente”? Ou isso é um exagero do milênio? A julgar pelas crenças históricas da igreja, os cristãos costumavam pensar que a Trindade realmente era importante. E a julgar pelas respostas honestas geralmente dadas aos questionamentos feitos acima, muitos cristãos modernos perderam o senso do porquê isso é tão importante, mesmo que eles o retenham em suas declarações doutrinárias.  Mas a julgar pelo crescente número de vozes,…
20 de agosto de 2018