Biografias

9 coisas que você deveria saber sobre Edith Schaeffer por Joe Carter

By 30 de janeiro de 2019 No Comments

Edith Schaeffer, cofundadora do L’Abri Fellowship e viúva do teólogo-filósofo Francis Schaeffer, morreu em 30 de março de 2013 com 98 anos. Aqui estão 9 coisas que você deveria saber sobre a Sra. Schaeffer.

  1. Schaeffer nasceu em Wenzhou, China, numa família de missionários que estavam servindo a Missão do Interior da China.
  2. Além do seu nome em inglês, os seus pais lhe deram o nome chinês Mei Fuh, que significa “bela felicidade”.
  3. Em 26 de junho de 1932 Edith compareceu numa reunião na sua igreja presbiteriana liberal onde um pastor unitariano palestrou sobre “Como eu sei que Jesus não é o Filho de Deus e como eu sei que a Bíblia não é a Palavra de Deus”. Ela estava preparada para refutá-lo quando um jovem se levantou e disse: “meu nome é Francis Schaeffer e eu quero dizer que eu sei que Jesus é o Filho de Deus e que ele também é o meu Salvador”. Depois de Francis ter dado o seu testemunho, Edith adicionou uma breve apologética para a verdade da Bíblia. Os dois começaram a namorar naquela noite e se casaram três anos depois.
  4. Para ajudar a sustentar o seu marido, Francis, no seminário, Edith costurava ternos masculinos e fazia vestidos longos e de casamento para clientes particulares.
  5. Depois de três anos servindo em congregações ativas nos Estados Unidos, os Schaeffers se mudaram para a Suíça em 1948 para ajudar igrejas em seus esforços de resistir tanto o liberalismo na teologia quanto o existencialismo na cultura depois da Segunda Guerra Mundial.
  6. O L’Abri Fellowship começou na Suíça em 1955 quando Francis e Edith decidiram por fé abrir a sua casa para ser um lugar onde as pessoas poderiam encontrar respostas satisfatórias para as suas questões e uma demonstração prática do cuidado cristão. O nome era L’Abri, a palavra francês para “abrigo”, porque eles buscaram fornecer um abrigo das pressões de um século XX radicalmente secular.
  7. Por volta de 1960, o L’Abri se tornou um fenômeno tal que atraiu a atenção da revista Time. A “Carta da Família” de Edith teve uma circulação de 1.300 destinatários e a sua hora do chá na noite de domingo estava contando com mais de 50 pessoas ao redor do mundo a cada semana.
  8. Edith ajudou a restaurar e popularizar a arte perdida da hospitalidade e de cuidado do lar dentro da comunidade evangélica durante a segunda metade do século XX. Como ela escreveu no seu livro, O que é uma família? [publicado pela Editora Monergismo]: “é necessário haver no cuidador do lar um exercício de um pouco de habilidade, imaginação, criatividade, desejo de satisfazer necessidades e de dar prazer aos outros na família. Como a família humana é preciosa. Ela não merece um sacrifício de tempo, energia, segurança, desconforto e trabalho? Será que conseguimos algo sem esforço?”
  9. Edith escreveu em autoria ou coautoria 20 livros, dois a menos do que o seu marido. Dois dos seus livros (Affliction [Aflição] e The Tapestry: the Life and Times of Francis and Edith Schaeffer [A Tapeçaria: a Vida e os Tempos de Francis e Edith Schaeffer]) venceram o prêmio Gold Medallion Award da Associação de Editoras Cristãs Evangélicas.

Texto original aqui. Para saber mais sobre o L’Abri no Brasil, veja aqui.

Traduzido por Guilherme Cordeiro.