Casamento e Família

Maternidade: Um Chamado às Armas por Rachel Jankovic

By 12 de maio de 2018 No Comments

Quando outro Dia das Mães chega, nos encontramos flutuando em um mar de palavras sentimentais, amorosas e doces sobre as coisas que as mães fazem por nós. É bom reconhecer, apreciar e honrar tudo isso, mas não é o que quero fazer hoje. Eu quero deixar de lado o sentimento e olhar para a posição inacreditavelmente poderosa para a qual Deus chamou suas mulheres.

“A maternidade dificilmente é irrelevante para a feminilidade.”

Sim, eu disse intencionalmente “suas mulheres” e não apenas aquelas mulheres que são mães. A mulher nesse sentido é a mesma coisa que  mãe. Se você é uma mulher em Cristo e obediente a ele, você é tanto uma parte desse poder feminino típico quanto aquelas que geraram filhos.

Certa vez, conversei com uma sala cheia de barrigas grávidas, bebês amamentando e crianças gordas. Você quase sempre vê esse tipo de poder diluído em uma multidão, mas não nesta sala. Olhando de perto e junto foi de tirar o fôlego. Lembrei-me desta gloriosa passagem em Cantares de Salomão, onde o marido diz de sua noiva: “Que é essa que desponta nas alturas como a luz do alvorecer, linda como a lua, brilhante como o sol, magnífica como um exército desfilando com suas bandeiras?” (Cantares 6:10, Bíblia King James) A beleza e a magnitude só aumentam quando a noiva se torna mãe.

Não é de admirar que o mundo esteja tão perturbado por mulheres cristãs tendo filhos – é uma coisa assustadora.

 

Os Bebês Mudam o Mundo

Há um poema do século XIX que termina cada estrofe com este refrão de alta octanagem: “Pois a mão que balança o berço é a mão que governa o mundo”. O segundo versículo do Salmo 8 nos dá uma visão surpreendentemente semelhante sobre como Deus vê a maternidade. Diz-nos o que Ele pensa dos próprios bebês.

“Da boca de pequeninos e crianças de peito
suscitaste força,
por causa dos teus adversários,
para fazeres emudecer o inimigo e o vingador.” (Sl 8.2 ARA)

“Temos sido lentamente levados a acreditar que mulheres empoderadas são aquelas que se desligaram da fertilidade.”

Se o propósito de nossas crianças é essa força ordenada por Deus, que ele está usando para silenciar o inimigo, então a maternidade dificilmente é irrelevante para a feminilidade. É dificilmente irrelevante para o trabalho do reino ou para a transformação cultural.

A maternidade é central para o chamado das mulheres porque é central para o poder criacional que Deus nos concedeu. Esta é a nossa força, esta é a nossa glória e este é o nosso verdadeiro poder. Nós fazemos bebês e bebês mudam o mundo.

 

A “Mulher” Moderna

Mulheres modernas estão famintas por poder. Elas estão marchando, exigindo e lutando – fazendo tudo o que podem – para tentar obter uma sensação de poder porque estão dolorosamente conscientes de uma escassez de poder feminino. A horrível ironia é que eles pisam nos corpos das crianças – exigindo direitos de aborto como essenciais para a força feminina. Mas é tudo uma perversão do poder feminino verdadeiramente chocante, o da gravidez, que elas estão descartando.

Temos sido lentamente levadas a acreditar que as mulheres empoderadas são aquelas que abriram mão da fertilidade. Ficamos nos sentindo envergonhadas de nossas barrigas, enquanto as intencionalmente inférteis cascas de mulheres desprezam nossa maternidade, como se fosse um hobby para as que conquistaram pouco ou não tem educação. Elas tiram a glória e o temor do sexo, tanto o ato em si quanto os incríveis arquétipos que Deus escreveu na sexualidade humana. Amor que é criacional. Homens e mulheres, constantemente criando novos homens e novas mulheres.

Elas nos persuadiram de que não há luta na maternidade, nenhum valor para as crianças no casamento.

 

Sua Parte em Governar o Mundo

“Não fez o SENHOR um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito? E por que somente um? Ele buscava a descendência que prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade.”(Malaquias 2:15).

Seu trabalho com seus filhos é importante. Seu derramar de vida para os assuntos deles. Eles importam. Porque Deus fez assim. Ele ordenou que força viesse ao mundo dessa maneira. Ele procura filhos divinos. Aquela barriga em crescimento, aqueles gritos famintos durante a noite, o conforto dos seus seios, os braços em volta das suas pernas, a criança no seu colo, o adolescente no carro com você, o sorriso em volta dos dentes recém-perdidos, o peso do carrinho que você está empurrando esta é a sua força, este é o seu poder, esta é a sua mão fazendo a sua parte em governar o mundo.

 

Muito Mais do que Biologia

“Nós fazemos bebês e bebês mudam o mundo.”

Já posso ouvir todas as objeções que me chegam – todo o horror em que eu diria que o poder das mulheres está em ter filhos (como se isso não fosse incrível). Podemos realmente ter poder apenas em nossas funções biológicas? Claro que não. Não há mais nas nossas vidas do que gerar bebês? Claro que há.

Você precisa seguir esse ato glorioso, elevando-os a temer o Senhor, a amá-lo com seus corações, mentes, almas e forças. E como vamos fazer isso? Nós faremos isso primeiro amando-O com todo o nosso coração. Nós O amaremos com toda a nossa razão. Nós O amaremos com toda a nossa alma. E nós O amaremos com toda a nossa força, incluindo a força de fazer bebês.

Spurgeon diz: “Aqueles que pensam que uma mulher detida em casa pela sua pequena família não está fazendo nada, pensam o contrário do que é verdade. . . . Mães, o treinamento piedoso de sua descendência é seu primeiro e mais urgente dever.” Se você não tem filhos, ou não é casada, você ainda é chamada a viver como se você fosse parte desse glorioso arquetípico de mãe – você é chamada a viver como uma mulher que honraria a Deus em sua maternidade, porque você honra a Deus em toda a sua vida, abraçando seu design e propósito para as mulheres como um todo e para você como mulher.

 

Ajustada para Nada Menos

Imagine todos os playgrounds da sua cidade. Imagine todos eles cheios de crianças que sabem o que significa serem amadas. Elas conhecem a Deus e conhecem o seu povo – corações cheios das histórias da Sua fidelidade. Balanços puxados por crianças que estão vivendo na alegria do Senhor – crianças que sabem quem são e para que servem. Agora pergunte a si mesma: em que tipo de cidade esse seria o caso? O que significaria se todos os playgrounds de nosso país estivessem cheios de crianças cristãs? Isso significaria que você está em um país cristão.

“Deus ordenou força para vir ao mundo através da gravidez.”

Quando Paulo descreve os deveres das mulheres cristãs em Tito 2:3-5, ele não está descrevendo algum tipo de lar de idosos para as delicadas – onde devemos ser discretas, castas, amar nossos maridos e amar nossos bebês porque não estamos aptas para nada mais. Ele está descrevendo nossas estações de batalha. Ele está dizendo que não estamos aptas para nada menos.

Paulo está descrevendo o papel de uma boa mulher em fazer o tipo de criança que você acabou de ver no parquinho. Ele está chamando as mulheres para o seu trabalho poderoso, glorioso e que muda o mundo – a grande boa obra, Seu trabalho de silenciar o inimigo e o vingador.

Rachel Jankovic (@lizziejank) é esposa e mãe de sete filhos. Ela é autora de Loving the Little Years: Motherhood in the Trenches, e está fortemente envolvida com um ministério de leitura da Bíblia para mulheres.

Traduzido por Felipe Barnabé

Fonte: Motherhood: A Call to Arms