Teologia

Sexualidade Moderna e Sanidade Religiosa pelo Dr. Greg Bahnsen

By 12 de Maio de 2018 No Comments

Penpoint II:3 (Junho de 1991) Covenant Media Foundation, 800/553-3938

A ética sexual que tem sido defendida recentemente por comitês em duas grandes denominações protestantes faz com que nos perguntemos se existe alguma sanidade na religião por perto.

Há mais de cinco milhões e meio de membros na Igreja Episcopal e na Igreja Presbiteriana (EUA) juntos. Neste mês, os comitês de estudo dessas importante denominações recomendam a suas respectivas assembleias a ordenação de homossexuais ativos ao ministério.

Isto é insanidade religiosa. A igreja cristã é construída sobre a palavra de Cristo e dos apóstolos, conforme se encontra registrado nas Escrituras. Afastar-se dessa palavra para uma perspectiva “moderna” é, antes de mais nada, afastar-se da lógica da religião cristã.

Quando a igreja começa a parecer e a soar como o mundo, não há razão convincente para sua existência continuada. Sem uma perspectiva ou estilo de vida distinto, a igreja poderia também fechar suas portas, fundir-se com o mundo e desaparecer completamente.

Paulo implorou aos cristãos que não se conformassem com este mundo, mas se transformassem pela renovação de suas mentes (Romanos 12:2). Ele poderia perguntar retoricamente: “Que comunhão tem justiça e injustiça?“O Deus vivo, verdadeiro e santo habita entre nós, e assim Paulo – como Jeremias – chamou o povo de Deus para “ser separado” do mundo impuro (2 Coríntios 6:14-18).

E deve haver pouca dúvida sobre a distinta ética sexual da Bíblia. Paulo condenou a natureza vil da homossexualidade em Romanos 1:24-27, vendo-a como uma expressão dos corações escurecidos, mentes tolas e idolatria religiosa dos incrédulos. Ele insistiu: “Não seja enganado!”Homossexuais não arrependidos “não herdarão o reino de Deus” (1 Coríntios 6:9-10).

No entanto, esse mesmo engano, essa mesma expressão de um coração religiosamente escurecido, pode ser considerado pelos comitês de estudo de duas denominações cristãs como sem problemas para a ordenação!

Da mesma forma, o apóstolo Paulo declarou que “não é permitido” que as mulheres tenham autoridade de ensinar sobre os homens na igreja (1 Coríntios 14:33-35; 1 Timóteo 2:11-12). Paulo disse que se alguém pensasse em si mesmo como espiritual, ele deveria reconhecer que o que Paulo escreveu foi o mandamento do Senhor. “Mas, se alguém é ignorante, ignore-o” (1 Coríntios 14: 37-38).

Apesar dessas palavras, a Igreja Presbiteriana (EUA) planeja adotar um credo curto em seu livro autorizado de confissões, que eleva a ordenação de mulheres a um princípio doutrinário da igreja. Insanidade religiosa.

Mas tem mais. Antigamente, era de se esperar que a igreja, acima de tudo, convocasse os jovens a exercerem autocontrole sexual – contrariamente à atração da cultura à sua volta – e a abster-se de relações pré-matrimoniais. Paulo exortou os crentes: “Fugi da fornicação …. Tu foste comprado por preço, assim glorifica a Deus no teu corpo” (1 Coríntios 6:18, 20). A alternativa dada por Deus à fornicação é o casamento (7:2).

Mas a nova ética sexual do comitê de estudo presbiteriano vê essa noção como tradicional e antiquada. O sexo antes do casamento pode ser aceito, afirma, se “a relação é responsável, a dinâmica genuinamente mútua e o amor cheio de carinho prazeroso”. É improvável que a denominação esteja pronta para adotar tal relatório (ainda). Mas não há mais senso ético, nem sanidade religiosa, quando um comitê da igreja pode dizer algo tão fora da Bíblia e esperar ser seriamente considerado.

Há uma lição sensata aqui. O desvio da autoridade da palavra de Deus não é estritamente um erro acadêmico e teológico. Tem consequências graves, práticas – seja na vida da igreja ou na vida do cristão individual. Há muito tempo, a Igreja Presbiteriana (EUA) desistiu de uma visão elevada da inspiração e inerrância bíblica. Deixou uma visão elevada da divindade de Cristo e da necessidade de Sua obra expiatória. Agora, em nossa geração, está prestes a desistir de uma alta visão da pureza sexual.

O profeta Jeremias declarou a mensagem de julgamento de Deus aos judeus que romperam o pacto de sua época. A acusação de Deus foi que “a palavra de Jeová se tornou para eles um opróbrio; eles não se deleitam” (6:10). E como resultado, eles não sabiam mais o que era ter vergonha moral. “Eles estavam envergonhados quando cometeram abominação? Não, eles não estavam de todo envergonhados, e nem podiam enrubescer”(v. 15).

Nossas igrejas devem se tornar diligentes para honrar, estudar e obedecer à palavra de Deus. Se não o fizerem, não é impossível, em última instância, perder a capacidade de até corar com a imoralidade sexual. Quando começamos a comprometer as características fundamentais de nossa fé, começamos a perder nossa razão de existir como igreja – e acabamos perdendo a sanidade em nossa religião.