Pular para o conteúdo

Eu nego ter dado qualquer tipo de suporte ao abuso de crianças

Qual foi o seu papel quando foi descoberto que Steven Sitler vinha molestando crianças por alguns anos? Meu papel foi encorajar o pai que descobriu isso a denunciar Steven para as autoridades imediatamente, e ao aconselhar Steven posteriormente, exigir que ele confessasse os crimes que ele havia cometido que não haviam sido descobertos.

Uma carta aberta da Christ Church sobre Steven Sitler [link]

E uma cronologia do caso Sitler, reunida a partir das atas do conselho da igreja, junto de outras reuniões, pode ser encontrada aqui [link].

The Only Kind of Gospel There Is [link]

Qual foi o seu papel quando foi descoberto que um dos seus alunos de seminário, Jamin Wight, era culpado de abusar sexualmente uma adolescente da sua congregação? Meu papel foi dar apoio à acusação jurídica, pedindo cautela para que isso não fosse feito de forma a agravar a situação.

Se você for a esta postagem — Jezehellsbells [link] — você poderá encontrar uma breve cronologia da controvérsia Greenfield.

E a cronologia do caso Greenfield, reunida a partir das atas do conselho da igreja, junto de outras reuniões, pode ser encontrada aqui [link].

O ponto crucial da controvérsia Greenfield diz respeito se houve ou não um cortejamento aprovado pelos pais. A Natalie nega isso, e eu o afirmo. A prova de que houve uma corte secreta pode ser verificada aqui [link]. E há uma importante atualização aqui: se você visitar o link anterior, verá que Gary Greenfield (pai de Natalie) admitiu para mim que, de fato, existiu tal corte secreta [link]. Embora Natalie continue (até o momento) a negar tal corte, se você ler o que Jamin diz em sua carta de confissão para a família Greenfield (“nós quebramos as regras da nossa corte”, “após nossa corte ser oficializada”, etc.), o que Natalie precisa é uma negação formal da corte por parte da família Greenfield naquele período. Isso é algo que ela não tem.

Por favor, observe: aos preocupados com a relativa ausência de Jamin Wight dos registros nestas atas, notem que ele não estava na Christ Church neste período.

E outra controvérsia sobre o comportamento imoral de Jim Nance, um professor na Logos School, e um presbítero na Christ Church. A cronologia do que aconteceu nesta situação pode ser encontrada aqui [link].

E uma vez que esta parte trata de abuso de crianças, deixe-me acrescentar algo sobre o abuso de esposas [link]. E aqui [link] está uma resposta ao artigo da Vice sobre a minha visão e tratamento das mulheres.

http://womenfreed.org/ — Aos interessados, eis um website onde as mulheres da Christ Church Moscow desabafam:

[…]

Não somos um grupo sem personalidade. Somos mulheres de todas as idades, de lugares diferentes, com histórias únicas. Como várias mulheres, muitas de nós sofremos abuso no passado. Para algumas, esse abuso foi tão terrível quanto possível. Para outras, foi menos violento, mas ainda deixou uma dor assombrosa e incômoda, que é impossível vencer sem ajuda. Como muitas mulheres, nós precisamos de tempo e aconselhamento para encontrar a cura. Como muitas, nós encontramos essa cura em Jesus Cristo e no evangelho pregado na igreja. Para nós, essa cura aconteceu especificamente na Christ Church em Moscow, em Idaho. Para nós, Deus usou nosso pastor, Douglas Wilson, como um fiel ministro da graça. Somos gratas pela nossa igreja e abençoadas além da medida.

[…]

Somos apenas mulheres dizendo muito obrigado a um pastor cuja labuta por nós e muitos outros tem sido negada, pois não tem sido vista.

Tradução: Thiago McHertt

Fonte: https://dougwils.com/controversy#5_I_deny_that_I_support_child_abuse_in_any_way_shape_or_form

%d blogueiros gostam disto: