Vida Cristã

Geração Z, Vamos Priorizar o Evangelho Enquanto Buscamos a Justiça por Jaquelle Crowe

By 12 de junho de 2018 No Comments

No ginásio, eu me tornei amiga de uma militante da justiça social. Ela não era cristã, mas tinha uma preocupação sincera e extravagante pelas pessoas e foi motivada a erradicar o sofrimento e trazer alívio. Ela foi a primeira adolescente que conheci que estava ativamente envolvida na coleta de alimentos para os desabrigados, doando seu cabelo para pesquisas sobre o câncer, participando de comícios para refugiados e aumentando a conscientização para o tráfico de seres humanos, crianças-soldados e fome mundial. Ela me despertou para algumas dessas questões pela primeira vez.

Mas seu amor pela justiça não estava enraizado nas realidades espirituais; foi entrelaçado com idealismo simples e uma busca de auto-realização em alívio humanitário temporário. Mais do que qualquer outra pessoa que conheço, ela vive a crença dominante e definidora da Geração Z: a ​​justiça social é o nosso deus.

Geração Z e Justiça

Não é estereótipo; as estatísticas mostram que minha geração é obcecada pela justiça. A Forbes relata que a Geração Z é “apaixonada por igualdade e justiça de todo tipo. Eles lutam por si, seus amigos, seus colegas de classe e outros que vêem tratados injustamente, seja devido a questões de gênero, sexualidade, raça, salário ou meio ambiente ”. Um estudo da Fast Company revelou que 76% da Geração Z está preocupada com o efeito humano no planeta e acredita que eles podem operar como um agente de mudança.

Em um mundo globalmente conectado, adolescentes e jovens de 20 e poucos anos aproveitam as oportunidades ilimitadas de ativismo na web. Estamos organizando as greves escolares, marchando pela igualdade e fazendo palestras no “TED Talk” sobre o casamento infantil e a pobreza. Hoje em dia, somos maiores fãs de Malala Yousafzai do que Miley Cyrus.

Tendo crescido na era da autenticidade, aprendemos que “não devemos ser dirigidos por nada fora de nós, mas apenas pelo que consideramos significativo dentro de nós. …negando autoridade externa (até mesmo ação divina) para seguir o novo propósito de ‘o que fala comigo'”. À medida que lutamos desesperadamente para encontrar significado nessa cultura pós-moderna, a busca badalada e emocionante da justiça social de fato falou conosco.

Mas os jovens cristãos são especialmente apaixonados pela justiça – e não apenas por causa de seu fator “da hora”. Apesar de sermos inegavelmente influenciados pelo dogma de nossa cultura, vemos os comandos claros de Deus para buscar a justiça para os pobres (Gl 2:10), os refugiados (Ex 23:9), os sem-teto (Is 58:7), os marginalizados (Ex 22:22), minorias (Jo 4:9-10), os não-nascidos (Sal 127:3; 139:13-16) e os vulneráveis ​​(Jer. 22:3). Cheios de empatia e energia, estamos prontos para nos levantar e ajudar.

Justiça Desequilibrada

Os cristãos da Geração Z, no entanto, têm um problema: estamos desequilibrados. Muitas vezes vemos a missão do cristianismo como uma gangorra. De um lado está o evangelismo orientado pela doutrina; por outro, uma busca prática da justiça terrena. Dizemos (ou sugerimos) que você pode ser um cristão focado na justiça ou um cristão focado na proclamação do evangelho – quem é você? Pessoas ou políticas? Necessidades sociais ou necessidades espirituais? Temporal ou eterno?

Quando forçados a levantar bandeiras, os cristãos mais jovens tendem a escolher a primeira, enquanto os cristãos mais velhos a segunda. Muitos jovens cristãos inclinaram-se para a justiça de uma forma que lentamente se afasta do evangelho. O foco deles tem se desviado perigosamente do centro do evangelho para o centro humanitário.

Em seu livro Justiça Generosa, Tim Keller escreve sobre “jovens evangélicos que ‘expandiram sua missão’ para incluir a justiça social junto com o evangelismo”. Ele observa: “Muitos deles não apenas se afastaram das formas mais antigas de ministério, mas também das doutrinas evangélicas tradicionais da expiação substitutiva de Jesus e da justificação somente pela fé, que são vistas como muito ‘individualistas’”.

Muitos na minha geração não estão apenas enfatizando a justiça sobre o evangelismo; eles estão sacrificando a verdade no altar da humanidade. Eles se tornaram consumidos por necessidades sociais e confusos sobre a missão do evangelho.

O Evangelho É Grande o Suficiente para Justiça

O problema fundamental é que criamos uma falsa dicotomia. Quando você coloca a justiça e o evangelho uns contra os outros, você perde o ponto da Bíblia e desvaloriza o coração de Deus para ambos. A justiça se encaixa perfeitamente no quadro do cristianismo bíblico. Ela flui ferozmente do evangelho como uma implicação prática de amar a Deus. Nosso Deus é um Deus de justiça (Gn 18:25). Ele cuida dos necessitados (Sl 68:10), Ele fornece para os pobres (Is 41:17), Ele luta pelos oprimidos (Sl 10:17-18), Ele odeia o abuso, racismo e tráfico de seres humanos. E espera que o seu povo também:

Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus. (Mq 6:8)

No entanto, se queremos viver a justiça da maneira que Deus ordena e celebra, devemos priorizar o evangelho. Se realmente queremos ver o florescimento humano e reduzir o sofrimento global, precisamos lidar com o maior problema que a humanidade enfrenta: o pecado e a morte. Precisamos de uma visão robusta e holística da justiça, e o evangelho nos equipa com isso. Cristãos ao longo da história, como William Wilberforce, Hannah More e Dietrich Bonhoeffer, têm defendido a justiça – e foi o foco deles no evangelho que impulsionou sua busca pela justiça.

“Andar humildemente com o seu Deus” alimenta “praticar a justiça”. Se reconhecermos honestamente tanto nossa fraqueza quanto a grandeza de Deus, desejaremos dar esperança e ajudar os outros. Nós vamos querer amar nossos vizinhos. E amar nossos vizinhos significa satisfazer suas necessidades físicas enquanto reconhecemos que sua necessidade mais importante é decididamente espiritual. Eles estão mortos e precisam de vida. Precisamos de justiça operada a partir do amor do evangelho.

Foi o que Jesus fez. Ele forneceu fisicamente para os pobres enquanto contava sobre as riquezas espirituais que eles poderiam ter nEle. Ele deu água para o sedento e contou sobre a Água Viva que poderia satisfazer eternamente. Ele serviu comida aos famintos e pregou sobre o Pão da Vida. Ele se importava com crianças e órfãos e oferecia a oportunidade de serem filhos de Deus.

Jesus não ignorou o sofrimento físico das pessoas, mas ele priorizou seu sofrimento eterno. Não foi uma ou outra (não houve falsa dicotomia); foram as duas. Como John Piper disse, “os cristãos devem se preocupar com todo o sofrimento, especialmente o sofrimento eterno”. Foi o que Jesus fez. Ele se importava com o sofrimento e seu amor radical pelas pessoas levava à ação.

Se os cristãos da Geração Z realmente querem mudar o mundo, precisamos viver como Jesus, amar como Jesus e servir como Jesus. E se quisermos fazer a diferença para a eternidade, também devemos agir – priorizar o evangelho à medida que buscamos a justiça.

Traduzido por Felipe Barnabé

Fonte: Gen Z, Let’s Prioritize the Gospel as We Pursue Justice

SEO: Neste artigo, Jaquelle Crowe adverte que quando você coloca a justiça e o evangelho um contra o outro, você perde o ponto da Bíblia e desvaloriza o coração de Deus para ambos.