Vida Cristã

Sem Juros de um Irmão, por Greg Bahnsen

By 11 de maio de 2018 No Comments

Sem Juros de um Irmão
Pelo Dr. Greg Bahnsen

As seguintes observações são uma continuação de discussões anteriores no The Guardian. (Veja as edições de Dezembro de 1976 e Fevereiro e Abril de 1977.)

As Escrituras claramente ordenam: “A teu irmão não emprestarás com juros, seja dinheiro, seja comida ou qualquer coisa que é costume se emprestar com juros.” (Deut. 23:19). A menção de itens que são emprestados dificilmente pode inferir uma RESTRIÇÃO sobre a condição desta proibição (por exemplo, limitando-a a situações de dificuldades econômicas), pois a proibição se aplica a QUALQUER COISA. De fato, como a experiência comum indica, mesmo a comida pode ser emprestada quando não há necessidade extrema e certamente o dinheiro pode ser emprestado para uma ampla variedade de propósitos.

Cobrança de JUROS e cobrança de ALUGUEL são visivelmente diferentes, pois a Palavra de Deus as TRATA DIFERENTEMENTE em seu código moral – mesmo que a disciplina da economia não os coloque em uma categoria. O texto das Escrituras claramente PROÍBE que se cobre juros de um irmão (enquanto se permite que alguém alugue sua propriedade ou contrate seus serviços). Você tem permissão para cobrar juros a “um estrangeiro” (aparentemente um empréstimo comercial feito a um comerciante estrangeiro EM VIRTUDE de seus lucros antecipados, que poderia então ser compartilhado), mas nunca em um empréstimo feito em virtude de o devedor ser um crente, “teu irmão” (Deuteronômio 23:19) – um empréstimo não tomado com o propósito de aumentar os lucros dos negócios.

O mandamento da escritura é declarado ENFATICAMENTE: “A teu irmão não emprestarás com juros”. Em uma tentativa de apoiar a usura entre os irmãos na igreja, o editor do THE GUARDIAN afirmou que, ao contrário da aparência, Deuteronômio 23:19 proíbe cobrar juros de um irmão POBRE. Sua justificativa para reduzir o escopo deste mandamento é que ele o vê como uma REITERAÇÃO MENOS DETALHADA do estatuto anterior e mais restrito em Êxodo 22:25 (que proíbe cobrar juros de um irmão pobre). Assim, a proibição geral em Deut. 23:19 é restrito em escopo, lendo-o à luz do comando anterior de Êxodo 22:25 e sustentando que a injunção posterior requer exatamente a mesma coisa e nada mais. É este um princípio interpretativo sólido pelo qual podemos “manejar corretamente a palavra da verdade”? O procedimento do Sr. Mitchell pode ser seguido de forma consistente como uma regra?

Avanço na Revelação

É óbvio, a partir de um estudo dos mandamentos de Deus, que não se justifica impor a situação restrita da legislação anterior a legislação posterior (reduzindo assim suas exigências). E é isso que um compromisso com a revelação progressiva nos levaria a assumir.

Esse princípio pode ser ilustrado a partir de uma analogia reveladora da legislação de usura na revelação sobre justiça judicial. Em Êxodo 23:6, lemos: “Não perverterás a justiça do teu pobre”. A legislação posterior em Deuteronômio 16:19 é formulada de maneira mais geral: “Não torcerás a justiça”.

Para ser coerente, o Sr. Mitchell teria que ver isso como uma reiteração menos detalhada do comando anterior, com sua circunstância restrita e não exigindo mais nada. Ou seja, o caso é paralelo ao da usura, e na visão de Mitchell o que seria proibido é simplesmente distorcer a justiça devida aos pobres (cobrar juros dos pobres) e NÃO, mais amplamente, qualquer distorção da justiça EM GERAL (não cobrar juros a qualquer irmão). Mas isso seria inacreditável, não apenas aqui, mas em outros casos também (por exemplo, a libertação de escravos, Êxodo 21:2 e Deuteronômio 15:12, a adoração de ídolos, Êxodo 22:20 e Deuteronômio 17:2- 5, o retorno do gado perdido, Êxodo 23:4-5 e Deuteronômio 22:1,4).

Portanto, no caso da usura, o Sr. Mitchell pode seguir seu procedimento de impor restrições da legislação anterior na posterior, mais generalizado (limitando assim a aplicação que parece exigida por uma simples leitura) somente por meio de alegações especialmente arbitrárias. Seu raciocínio se provou insano, porque não pode ser seguido de forma consistente. Em sua opinião, é permissível cobrar juros em empréstimos (sem fins lucrativos) entre irmãos na igreja cristã, a menos que seja uma situação de pobreza. Mas o texto direto e inalterado da Escritura (Deuteronômio 23:19) é contra ele (cf. Salmos 15: 4-5; Provérbios 28: 8; Ezequiel 18:13).

Aplicando Textos Limitados

Embora ocasionalmente devamos interpretar as Escrituras tomando limitações derivadas de declarações específicas ou detalhadas e impondo-as em textos mais amplamente redigidos, isso é legítimo APENAS QUANDO NECESSÁRIO para preservar a unidade da Palavra de Deus.

Isto é, em casos de CONTRADIÇÃO APARENTE, podemos fornecer os detalhes e qualificações de ensinamentos mais específicos claramente revelados em outros lugares. Por exemplo: Mateus 19:9 diz que, COM EXCEÇÃO DE fornicação, o divórcio e o novo casamento estão errados; Lucas 16:18 diz simplesmente que o divórcio e o novo casamento estão errados, SEM mencionar a EXCEÇÃO.

Mas é ilegítimo fazer isso quando desnecessário (por exemplo, sustentar que a proibição geral da embriaguez em Romanos 13:13 pode ser restrita ao caso mais específico de embriaguez à mesa do Senhor mencionado em 1 Coríntios. 11:20-21). Se o fizermos, seremos culpados de afastar a Palavra de Deus – “Tudo o que eu te ordeno observarás; nada lhe acrescentarás, nem diminuirás” (Deut. 12:32).

Não há SEQUER UMA APARENTE contradição na legislação de usura em discussão. “Você não deve fazer o seu irmão pagar juros” e “Você não deve cobrar o juros do irmão pobre” são perfeitamente consistentes uns com os outros. (Assim como “não cometer fornicação com uma virgem”)

A imposição de especificações de outros lugares, então, é desnecessária em relação à legislação de usura da Escritura. Daí a reinterpretação restritiva de Deuteronômio 23:19 ser ilegítima.

Uma Definição Expandida

Uma nota final: a abordagem do Sr. Mitchell à legislação de usura implicava a visualização de Deut. 23:19 como uma reiteração MENOS DETALHADA da injunção mais específica em Êxodo 22:25. Um reexame dos dois versos mostrará que esta é uma concepção equivocada.

A lei posterior em Deut. 23:19 é, de fato, COMPLETA E MAIS DEFINITIVAMENTE ESPECÍFICA com relação a (1) os itens emprestados e (2) o status nacional do tomador; Deut. 23:19 dá mais detalhes do que Êxodo 22:25.

Este detalhe ampliado torna a OMISSÃO de qualquer menção ou qualificação do status econômico do mutuário em Deut. 23:19 como conspícuo e interpretativamente significativo. As palavras de Deus falam inequivocamente: “Não farás com que o teu irmão pague juros” – qualquer irmão que seja (cf. I Tim.5.21).

Se Jesus instrui seus discípulos a emprestar sem ficarem ansiosos com o retorno DO MESMO CAPITAL INICIAL (Lucas 6:34), quanto mais é impróprio para eles barganharem para obter um aumento (usura) em empréstimos! Além disso, o dinheiro emprestado pela igreja de Cristo não é para o propósito de aumentar seu lucro de capital (caso contrário, as autoridades fiscais rapidamente interviriam!). Assim, qualquer interesse que seja exigido deve ser pago pelas ofertas voluntárias dos filhos de Deus. Mas a moeda da viúva não deve ser usada para o simples lucro financeiro, por meio de usura, de outros cristãos. O devedor é servo do credor (Provérbios 22:7).

Não é hora de a igreja de Cristo ser liberta das exigências ilegais da usura?

Dr. Bahnsen é professor do Reformed Theological Seminary em Jackson, Mississippi.

Tradução: Felipe barnabé