Vida Cristã

12 de maio de 2012
 

Maternidade é Vitória

Mais artigos de »
Escrito por: Rachel Jankovic
Tags:,
marca_dagua_banners

As mulheres judias esperavam por um messias. Elas ansiavam ser a mãe do Salvador. Elas tinham filhos na esperança de um messias. Elas criavam, alimentavam, ensinavam e abrigavam os seus filhos em antecipação. Antecipação de salvação. Esperança de uma vitória. Fé nas promessas de Deus.

E — tantos anos depois — aqui estamos nós, fazendo muitas daquelas mesmas pequenas tarefas. Corpos doloridos carregando novas vidas. Bebês de peito nos despertando ao longo das noites. Pequenas crianças com pequenas necessidades. Bocas para alimentar, mais e mais. Pisos para limpar, roupas para estender, necessidades físicas para atender.

Vitória

Mas estamos num momento diferente nesta história. Agora, já não somos mães em esperança. Já somos mães em vitória. Não criamos filhos para limpar um campo para plantio; criamos nossos filhos para trabalhar na colheita!

Pode ser extremamente fácil cair nos detalhes da maternidade: os detalhes das tampas perdidas de copos com canudinho; das tintas de aquarela; o trabalho exigente de manter a geladeira cheia e a lavanderia vazia; a preocupação com as notas no ensino médio e com os estudos universitários; o trabalho de colocar e tirar as crianças dos nossos carros. É fácil gastarmos o dia inteiro nos detalhes e nos esquecermos de ver qual é a grande história.

Os sacrifícios que fazemos todos os dias não são feitos em uma batalha perdida. Eles são os sacrifícios dos vitoriosos. Eles são o preço de uma guerra vencedora.

Flechas

Deus não compartilha de nossa visão sentimental de maternidade. Embora Ele se deleite nas crianças, não fala de maneira fofa sobre elas numa sessão de fotos. Ele as compara, não com fadas minúsculas ou com flores frágeis, mas com flechas! Para Ele, crianças são armas nas mãos de um homem poderoso.

Deus não ordena que desejemos a bênção de filhos porque suas vozes alegres tornarão nossas casas aconchegantes, mas Ele nos manda desejar filhos que lutarão com o inimigo na porta.

É natural e bom que nos deleitemos nas pequenas coisas com nossos filhos. Mas Deus não ordena que as mães se regozijem com as covinhas no cotovelo e com o cheiro da cabeça de um bebê novinho. Não nos manda sorrir enquanto os vemos a dormir ou amar como ficam de pijama. Ele não nos diz essas coisas porque não precisa dizer. Esse é o amor natural de uma mãe por seus filhos.

Mas precisamos ser lembradas (e carecemos desse lembrete!) de que devemos amar nossos filhos, não por causa deles mesmos, mas pelo que Deus está fazendo por meio deles. Precisamos de um amor sobrenatural. Precisamos crer na vitória do Senhor e ser mães em plena confiança e fé.

“Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres emudecer o inimigo e o vingador” (Salmo 8.2)

Estamos alimentando essas bocas — essas são as bocas que Deus se determinou usar para silenciar o inimigo.

A vitória é nossa, porque o Salvador é nosso!

 

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – 12 maio de 2012.

Fonte: Desiring God



Sobre o Autor

Rachel Jankovic
Rachel Jankovic
Rachel Jankovic é filha do pastor Douglas Wilson e da escritora Nancy Wilson.



 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones