Outras Categorias

14 de março de 2017
 

Apontamentos da história da Assembleia de Westminster

Mais artigos de »
Escrito por: Raneire Menezes
Tags:

A Assembleia de Teólogos de Westminster (1643-1649) foi um grande marco histórico e teológico que fechou um ciclo dourado de produção de documentos confessionais.

É sabido que ela produziu os Símbolos de Fé da Igreja Presbiteriana (a Confissão de Fé de Westminster e os Catecismos Breve e o Maior), os Padrões Presbiterianos, adotados desde a Escócia, berço do presbiterianismo. Os padrões oficiais da IPB – Igreja Presbiteriana do Brasil.

A Assembleia gerou vários documentos teológicos importantes (Diretório de Culto, Saltério e Forma de Governo) e é considerada como o último e mais importante sínodo da Igreja pós-reforma; um grande Sínodo para alguns, uma grande encontro teológico não sinodal para outros.

Há uma extensa documentação de registros dessa grande Assembleia, pois a documentação não tratou somente de doutrinas cristãs, mas teve todo um envolvimento e toda uma importância ligada à história civil e política da época. Ela foi de grande importância para a Inglaterra, assim como para as igrejas reformadas em todo o mundo.

Deve-se atentar ao fato que grande parte dos documentos produzidos pela Assembleia não chegaram até nós porque houve um grande incêndio em Londres em 1666 que destruiu muito desse material. Pela maravilhosa providência de Deus ainda existem muitos registros escritos pelos participantes da Assembleia, que produziram muitas notas e diários sobre tudo que ocorria nesta reunião histórica.

Vamos fazer uma conta por baixo, suponhamos que cada membro da Assembleia gerasse de dez a vinte volumes de anotações, teríamos aproximadamente 2 mil volumes. Vamos supor que metade da Assembleia escrevesse, quantos volumes teríamos? Mil? Quinhentos? É fato que o grande incêndio destruiu muita coisa. Mas certamente que ainda hoje há centenas de registros fidedignos e suficientes para admirar o trabalho desses teólogos.

 

Faça o Download (arquivo PDF)



Sobre o Autor

Raneire Menezes
Raneire Menezes




 
 

 

29 de janeiro: meu dia.

29 de janeiro sempre foi dia de festa em minha casa. Ao menos em meu coração. O dia continua impregnado em minha alma, embora com um sabor diferente desde 2006. Afinal, em 16 de julho de 2005 faleceu Francisco Sabino de Araú...
por Felipe Sabino
 

 
 

Jesus Cristo, o ungido do Senhor, reina para sempre

O salmo dois, exuberantemente messiânico e centrado no senhorio de Deus sobre todas as coisas, principia revelando aquela que é a essência do pecado, a rebelião do homem contra o criador; e a recusa do homem em se submeter ...
por José Mario Silva
 

 
 

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman
 

 

 

A adoração a Baal

Eis o novo lançamento em kindle da Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 
 

Ai, credo!?

Você já estudou o Credo dos apóstolos na sua igreja? “Ai, credo!”, pode ser a reação de alguns.
por Felipe Sabino