Doutrina/Teologia

9 de dezembro de 2011

Dízimo hoje?

Mais artigos de »
Escrito por: R. C. Sproul

No seu entender, o que a Bíblia ensina a respeito do dízimo no que se refere aos cristãos hoje?

Há muitas pessoas que creem que o dízimo não é mais um encargo sobre os crentes porque é um mandamento do Antigo Testamento que não está especificamente repetido no Novo Testamento.

Embora isso fosse parte da lei do pacto de Israel no Antigo Testamento, não creio que tudo que Deus exige de seu povo no Antigo Testamento esteja cancelado se o Novo Testamento silencia a respeito. Eu diria que se o dízimo foi cancelado deveríamos ter um ensino explícito no Novo Testamento afirmando que o dízimo não está mais em vigor. O dízimo era uma responsabilidade central na economia da velha aliança, e teria sido transportado, principalmente quando entendemos que a comunidade da nova aliança foi estabelecida principalmente entre judeus, que continuariam a praticá-lo, a não ser que lhes dissessem que o dizimo não era mais necessário. Eu diria que na ausência de uma palavra de repúdio, o dízimo continua válido no Novo Testamento.

Quando Jesus estava na terra, e a nova aliança ainda não tinha sido estabelecida, ele abençoou os fariseus por seus dízimos. Eles dizimavam a hortelã e o cominho, o que significa que eles dizimavam até as menores coisas. A maioria dos dízimos no Antigo Testamento era paga com bens da agricultura ou do rebanho – era uma sociedade agrária. Mas os fariseus eram tão escrupulosos a respeito de dar os dez por cento a Deus que, se plantavam um pouco de salsa no quintal, eles dizimavam isso também. É como se você achasse dez centavos no chão e fizesse questão de entregar um centavo a Deus. Jesus disse que esses homens eram tão escrupulosos que pagavam até o último centavo, e Jesus os cumprimentou por isso (Lc 11.42).

Quando o Novo Testamento se refere a dar, fala em dar da sua abundância e do espírito de gratidão do seu coração. Sempre que as duas alianças ou pactos são comparados, particularmente no livro de Hebreus, somos ensinados que o Novo Testamento é uma aliança muito mais rica. Os benefícios que recebemos como cristãos, excedem em muitos os benefícios que o povo da velha aliança gozava. Mas também segue-se que as responsabilidades do povo do Novo Testamento também excedem as responsabilidades do povo do Antigo Testamento. Nós estamos numa situação melhor. Eu diria que o dizimo não é um alto padrão fundamental para o super-cristão, mas é o alicerce. É o ponto de partida para uma pessoa que está em Cristo e que compreende alguma coisa dos benefícios que recebe de Deus.

 

Fonte: Boa Pergunta (São Paulo: Editora Cultura Cristã, 1999), R. C. Sproul, p. 285-286.



Sobre o Autor

R. C. Sproul
R. C. Sproul
R. C. Sproul é presidente de Ligonier Ministries, professor de Teologia Sistemática no Reformed Theological Seminary e diretor emérito de Prison Fellowship, Inc. Teólogo e pastor, formou-se pelo Pittsburgh Theological Seminary e obteve seu grau de doutor pela Free University of Amsterdam. O Dr. Sproul é autor de vários livros.




 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_ch

Dispensacionalismo: uma crítica abreviada

O artigo “Dispensacionalismo: uma crítica abreviada” é uma versão abreviada do livro Dispensationalism Today, Yesterday, And Tomorrow de Grover Gunn e Curtis Crenshaw.
por Grover Gunn
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *