Doutrina/Teologia

20 de abril de 2011

Deus ainda fala?

Mais artigos de »
Escrito por: Russell D. Moore

Eu queria que alguém finalmente fizesse uma Bíblia honesta. 

Alguns de vocês têm letras vermelhas em suas Bíblias. Pensemos sobre isso; eu também as tenho na minha. Supõem-se que elas indicam quando Jesus está falando no texto. E é por causa disso que estou procurando uma Bíblia honesta, uma verdadeira Bíblia com letra vermelha – uma cópia da Palavra de Deus que tenha letras vermelhas desde “No princípio” (Gn 1.1), do começo de Gênesis, até o “Amém”, (Ap 22.21) do final de Apocalipse.

Nosso irmão Pedro conhecia o som das cordas vocais de Jesus. Ele provavelmente poderia ter até imitado alguns dos maneirismos de Jesus, e feito uma imitação quase perfeita do sotaque de Jesus enquanto cozinhava seu peixe ao redor do fogo com os outros discípulos.

Todavia, esse mesmo Pedro, aquele que conhecia Jesus face a face, refere-se à Bíblia que agora você tem em suas mãos como uma palavra “ainda mais firme” até mesmo do que aquelas palavras proferidas pelos homens que ouviram a voz de Deus no monte. O motivo é que a Palavra que você têm em suas mãos foi escrita por homens inspirados pelo Espírito Santo (2 Pedro 1.16-21).

Isso significa que quando Pedro fala – juntamente com todos os apóstolos e profetas – ele está falando as palavras do Espírito. E onde o Espírito está falando, Jesus está falando.

O Espírito, que é o Espírito de Jesus, nos dá essas palavras em nossas Bíblias. Isso significa que toda palavra da Escritura é verdadeira e proveitosa, e está chegando até você com a mesma autoridade como se Jesus de Nazaré fosse atravessar essas paredes e falar as palavras da Bíblia para você face a face.

Essa é a autoridade da Escritura. Esse é o seu poder. E é isso o que significa acreditar verdadeiramente na Bíblia – isto é, amar e obedecer ao nosso Cristo.

[1] – “Mais segura” ou “mais certa” em algumas versões. [N. do T.]

 

Fonte: Southern Seminary Magazine, Vol. 78 (2010), No. 4.

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – abril/2011



Sobre o Autor

Russell D. Moore





 
 

 

Apontamentos da história da Assembleia de Westminster

A Assembleia de Teólogos de Westminster (1643-1649) foi um grande marco histórico e teológico que fechou um ciclo dourado de produção de documentos confessionais.
por Raneire Menezes
 

 
 

29 de janeiro: meu dia.

29 de janeiro sempre foi dia de festa em minha casa. Ao menos em meu coração. O dia continua impregnado em minha alma, embora com um sabor diferente desde 2006. Afinal, em 16 de julho de 2005 faleceu Francisco Sabino de Araú...
por Felipe Sabino
 

 
 

Jesus Cristo, o ungido do Senhor, reina para sempre

O salmo dois, exuberantemente messiânico e centrado no senhorio de Deus sobre todas as coisas, principia revelando aquela que é a essência do pecado, a rebelião do homem contra o criador; e a recusa do homem em se submeter ...
por José Mario Silva
 

 

 

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *