Teologia Reformada

29 de março de 2011

Ser calvinista é o mesmo que ser reformado?

Mais artigos de »
Escrito por: Tullian Tchividjian

Uma das discussões contínuas com respeito à ressurgência de interesse no calvinismo gira em torno da distinção (se é que existe alguma) entre calvinismo em particular e teologia reformada em geral. Uma visão calvinista sobre a salvação é sinônimo de teologia reformada? Ou teologia reformada é algo maior do que simplesmente calvinismo? O calvinismo sozinho pode ser considerado reformado?

Michael Horton compartilha seus pensamentos em um artigo intitulado “The Hallway and the Rooms”:

Se ser reformado pode ser reduzido a crer na soberania de Deus e na eleição, então Tomás de Aquino é tão reformado quanto R. C. Sproul. Contudo, a confissão reformada é muito mais do que isso. Até mesmo a forma como ela fala sobre essas doutrinas está enquadrada dentro de um contexto mais amplo da teologia do pacto. É intrigante para mim que as pessoas possam se chamar hoje de reformados mesmo não abraçando essa teologia do pacto.

Mês que vem (nov/2010), o novo livro de Jamie Smith, Letters to a Young Calvinist: An Invitation to the Reformed Tradition [Cartas a um jovem calvinista: um convite à fé reformada], será lançado. Eu tive o privilégio de ler uma cópia antecipada deste livro e escrever uma recomendação. Penso que o livro de Jamie ajuda a discussão muito bem. Jamie é professor de filosofia no Calvin College.

Eis o que eu escrevi:

James K. A. Smith aborda agradavelmente uma das conversas mais fascinantes no evangelicalismo moderno – a ressurgência surpreendente do calvinismo entre os jovens cristãos. Letters to a Young Calvinist: An Invitation to the Reformed Tradition é profundo, sutil, provocativo, relacional e bem informado. Ninguém concordará com tudo aqui, mas o que eu apreciei mais foi a insistência cuidadosa de Smith: para ser teologicamente reformado é necessário muito mais do que crer nos famosos (e fabulosos!) cinco pontos do calvinismo. Ele mostra que a tradição reformada é pactual e cósmica no escopo, grande e brilhante na escala, doutrinária e devocional no espírito. Uma leitura completamente envolvente.

Semana passada Jamie compartilhou em seu blog a razão de escrever o livro e apresentou uma breve descrição dele:

Letters to a Young Calvinist é um convite para ver os outros ribeiros da tradição reformada – valorizar a riqueza complexa das vozes reformadas em todo o espectro. Algumas vezes eu descrevo este pequeno livro como “Kuyper para Piper”. O objetivo é desenvolver no jovem reformado inquieto um interesse nas doutrinas da graça celebrando também outros temas fundamentais da tradição reformada: criação, cultura, pacto e catolicidade, com uma preocupação especial pela apreciação da eclesiologia dos reformadores.

Compre. Leia. Junte-se à discussão – trata-se de uma discussão importante!

 

Fonte: http://thegospelcoalition.org/blogs/tullian/

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – março/2011



Sobre o Autor

Tullian Tchividjian





 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_ch

Dispensacionalismo: uma crítica abreviada

O artigo “Dispensacionalismo: uma crítica abreviada” é uma versão abreviada do livro Dispensationalism Today, Yesterday, And Tomorrow de Grover Gunn e Curtis Crenshaw.
por Grover Gunn
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *