Vida Cristã

15 de junho de 2016
 

Cura e a soberania de Deus

Mais artigos de »
Escrito por: Vincent Cheung
Tags:
marca_dagua_banners

Quando cristãos se referem à soberania de Deus no contexto de milagres de cura, em geral é para explicar o por quê curas raramente ou mesmo nunca acontecem — para eles. A doutrina quase sempre é usada para ensinar, não nessas palavras, mas com efeito, que Deus quase nunca responde oração, ou que Deus quase nunca dá o que você pede. A soberania de Deus é uma doutrina de vitória constante e absoluta — um triunfo inexpugnável, esmagador e espetacular — mas com muita frequência é usada como uma explicação para derrota. Por que não dizer que Deus responde oração, que ele nos dá o que lhe pedimos, e porque ele é soberano, ninguém pode detê-lo?

Nunca encontrei alguém que dissesse, “Deus é soberano”, e continuasse com, “portanto, quando oro por enfermos, mais de cinquenta por cento recebem cura”, ou mais de noventa por cento, ou cem por cento. Cristãos aceitam derrota e culpam a soberania de Deus, ou apoderam-se da vitória e rejeitam a soberania de Deus. Por quê? Por que não se apoderar da vitória pelo fato de afirmarmos a soberania de Deus? “Pessoas recebem cura quando oro com fé, e algumas vezes recebem cura mesmo quando não tenho fé, pois Deus é soberano.” Por que não dizer isso?

Em vez disso, quando alguém diz, “Deus é soberano”, a afirmação é frequentemente seguida de algo deprimente. Mesmo que a Bíblia diga o que deve esperar, a pessoa insiste que jamais sabe o que acontecerá. Ela afirmará algo como: “Deus é soberano, então alguém pode não receber cura mesmo quando oro com fé”. De alguma forma a doutrina da soberania divina significa que Deus nunca faz algo bom para você, ou raramente o faz. A Bíblia, por outro lado, me diz que Deus fará mais do que eu posso pedir ou pensar. A doutrina da soberania de divina capacita-me a esperar mais, não menos.

 


 

Fonte: http://www.vincentcheung.com/
Tradução: Felipe Sabino (junho/2016)



Sobre o Autor

Vincent Cheung
Vincent Cheung é autor de trinta livros e centenas de palestras sobre uma gama de assuntos em teologia, filosofia, apologética e espiritualidade. Através dos seus livros e palestras, ele está treinando cristãos para entender, proclamar, defender e praticar a cosmivisão bíblica como um sistema de pensamento abrangente e coerente, revelado por Deus na Escritura. Vincent Cheung reside em Boston com sua esposa Denise.



 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Psychopannychia

Uma refutação do erro nutrido por algumas pessoas sem habilidade, que de forma ignorante imaginam que no intervalo entre a morte e o julgamento a alma dorme.
por João Calvino
 

 
 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_la

A palavra não escrita

A poesia de Jorge F. Isah nasce carregada de enlevo hermético.
por Jorge Fernandes sah
 

 
 
marca_dagua_banners_rosa

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman