Vida Cristã

15 de junho de 2016
 

Cura e a soberania de Deus

Mais artigos de »
Escrito por: Vincent Cheung
Tags:

Quando cristãos se referem à soberania de Deus no contexto de milagres de cura, em geral é para explicar o por quê curas raramente ou mesmo nunca acontecem — para eles. A doutrina quase sempre é usada para ensinar, não nessas palavras, mas com efeito, que Deus quase nunca responde oração, ou que Deus quase nunca dá o que você pede. A soberania de Deus é uma doutrina de vitória constante e absoluta — um triunfo inexpugnável, esmagador e espetacular — mas com muita frequência é usada como uma explicação para derrota. Por que não dizer que Deus responde oração, que ele nos dá o que lhe pedimos, e porque ele é soberano, ninguém pode detê-lo?

Nunca encontrei alguém que dissesse, “Deus é soberano”, e continuasse com, “portanto, quando oro por enfermos, mais de cinquenta por cento recebem cura”, ou mais de noventa por cento, ou cem por cento. Cristãos aceitam derrota e culpam a soberania de Deus, ou apoderam-se da vitória e rejeitam a soberania de Deus. Por quê? Por que não se apoderar da vitória pelo fato de afirmarmos a soberania de Deus? “Pessoas recebem cura quando oro com fé, e algumas vezes recebem cura mesmo quando não tenho fé, pois Deus é soberano.” Por que não dizer isso?

Em vez disso, quando alguém diz, “Deus é soberano”, a afirmação é frequentemente seguida de algo deprimente. Mesmo que a Bíblia diga o que deve esperar, a pessoa insiste que jamais sabe o que acontecerá. Ela afirmará algo como: “Deus é soberano, então alguém pode não receber cura mesmo quando oro com fé”. De alguma forma a doutrina da soberania divina significa que Deus nunca faz algo bom para você, ou raramente o faz. A Bíblia, por outro lado, me diz que Deus fará mais do que eu posso pedir ou pensar. A doutrina da soberania de divina capacita-me a esperar mais, não menos.

 


 

Fonte: http://www.vincentcheung.com/
Tradução: Felipe Sabino (junho/2016)



Sobre o Autor

Vincent Cheung
Vincent Cheung é autor de trinta livros e centenas de palestras sobre uma gama de assuntos em teologia, filosofia, apologética e espiritualidade. Através dos seus livros e palestras, ele está treinando cristãos para entender, proclamar, defender e praticar a cosmivisão bíblica como um sistema de pensamento abrangente e coerente, revelado por Deus na Escritura. Vincent Cheung reside em Boston com sua esposa Denise.



 
 

 

No princípio Deus

“No princípio Deus”. As três primeiras palavras da Bíblia são mais que uma introdução à história da criação ou ao livro de Gênesis. Elas fornecem a chave que abre a nossa compreensão da Bíblia como um todo, rev...
por John Stott
 

 
 

Beleza imperecível

Há algum tempo um leitor deste site perguntou se eu poderia responder a uma preocupação de sua vida. Ele estava cortejando uma moça e começando a pensar em casamento, mas de repente descobriu que não se sentia mais atra...
por Tim Challies
 

 
 

Deus usa os bostas!

Perdão pelo título desse artigo, mas poderíamos negar essa afirmação? Deus usa os bostas, caro leitor! Pensemos nos primórdios do cristianismo. Como se deu o seu avanço? Era um movimento obscuro, marginal, com ninguém i...
por Felipe Sabino
 

 

 

Luz do Mundo

O uso do termo luz na Escritura é muito rico. O termo é usado para descrever o próprio Deus e enfatizar a sua santidade e justiça. “Deus é luz, e não há nele treva nenhuma” (1 João 1.5). O Senhor é o “Pai das luz...
por Brian Schwertley
 

 
 

Sexo, Namoro e Relacionamentos

Ontem à noite, minha esposa e eu nos sentamos e fizemos uma contagem aproximada do número de casais que conhecemos e passaram pelo namoro e noivado. É um bom número de amigos, familiares e membros da nossa igreja. Então pe...
por Tim Challies
 

 
 

Quão Longe é Muito Longe?

Num momento ou outro, todo mundo já fez ou precisou responder as seguintes perguntas: Quando se trata do componente físico de um relacionamento de namoro, quão longe é muito longe? Podemos dar as mãos? Podemos beijar?
por Tim Challies