Outras Categorias

1 de fevereiro de 2012
 

Lucas 16.16-17

Mais artigos de »
Escrito por: William Hendriksen
Tags:,
lucas161617-wh

A lei e os profetas foram proclamados até João. Desde esse tempo o evangelho do reino de Deus está sendo pregado, e todos se esforçam vigorosamente por entrar nele.

Os fariseus pareciam esposar a opinião de que poderiam entrar no reino de Deus esquivando-se da lei de Deus. Os exemplos mais notórios disso se encontram em Mateus 15.1-9; 23.16-26. Mas o que é necessário é que os homens vigorosamente avancem para o reino e isso é exatamente o que desde os dias de João Batista os homens corajosos estiveram fazendo. A entrada no reino demanda renúncia genuína, esforço fervoroso, energia incansável, esforço máximo.

Qual é o significado da afirmação de que isso vem ocorrendo desde os dias de João Batista? Antes desse tempo Deus se revelara na lei e nos profetas, isto é, no que agora chamamos o Antigo Testamento. Essa revelação era ppeparatória. Com João Batista chegou a nova dispensação, a do cumprimento, como é evidente à luz do fato de que João apontou para Cristo que estava realmente presente (Jo 1.29, 36). Portanto, com João chegou uma nova etapa na história do reino de Deus (cf. Mc 1.14; At 1.22; 10.37) e se passou a proclamar o evangelho do reino de Deus nos corações e nas vidas por meio de mensagens e sinais confirmativos. Quem quiser pertencer a essa esfera de luz e amor terá de entrar nesse reino do modo indicado, isto é, entrando vigorosamente nele. Não existe outro modo. E não era também exatamente isso o que Jesus dissera antes, usando palavras diferentes, a saber: “esforcem-se por entrar pela porta estreita” (13.24)? Naturalmente que força para fazer isso vem de Deus, mas isso não elimina o fator da responsabilidade humana (Fp 2.12, 13).

Confrontando o método farisaico de evadir-se da lei, Jesus agora declara: 17. É mais fácil que o céu e a terra desapareçam do que que o menor sinal de uma letra da lei perca seu vigor.

Apesar das tentativas farisaicas de esquivar-se e evadir-se da lei moral (cf. v. 18), ela retém seu vigor. Seria mais fácil que o céu e a terra deixassem de existir do que um pequeno sinal de uma letra da lei perder sua autoridade.

O Antigo Testamento foi escrito originalmente em caracteres hebraicos. A “curvatura” ou keraia é uma projeção muito pequena que distingue um caracter hebraico do outro. Assim a segunda letra do alfabeto hebraico, chamada bet, que corresponde a “b” em nosso idioma, tem uma pequena extensão na quina inferior do lado direito, para distingui-la da letra kaf, que por sua vez corresponde à nossa letra “k”. No presente contexto, o significado então é este, que nem mesmo no aspecto mínimo a lei moral poderá ser invalidade. Aliás, o evangelho ao mostrar quão maravilhosamente Deus tem abençoado os homens por meio da obra de Cristo, faz com que o crente se torne muito mais desejoso de obedecer à lei de Deus, movido por gratidão. Por isso, em vez de debilitar as exigências da lei, o evangelho as corrobora.

 

Fonte: William Hendriksen, Lucas – Volume 2 (Editora Cultura Cristã), páginas 324-325.



Sobre o Autor

William Hendriksen
William Hendriksen
William Hendriksen (1900-1982), Th.D. (Princeton Theological Seminary), por dez anos foi professor de Novo Testamento no Calvin Seminary. Iniciou a sua série de comentários em 1953. Desde a sua morte, em 1982, seu trabalho foi continuado pelo Dr. Simon Kistmaker, professor do Novo Testamento no Reformed Theological Seminary.



 
 

 
marca_dagua_banners_rosa

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman
 

 
 
marca_dagua_banners_a

A adoração a Baal

Eis o novo lançamento em kindle da Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners_rx

Ai, credo!?

Você já estudou o Credo dos apóstolos na sua igreja? “Ai, credo!”, pode ser a reação de alguns.
por Felipe Sabino
 

 
 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Mudanças na Confissão?

    Visto que ninguém alega que a Confissão de Westminster é inerrante, ela está teoricamente sujeita a melhoria. Mas assumindo que o objetivo da reformulação inclua a preservação de todo o pensamento inaltera...
por Gordon H. Clark