Ministério da Igreja

6 de fevereiro de 2009
 

A Pergunta Batista Mais Comum

Mais artigos de »
Escrito por: Brian Crossett
Tags:

Q

ual é a pergunta mais comum que um batista faz aos pedobatistas (aqueles que creem que os filhos dos crentes devem ser batizados)? Provavelmente: “Mostre-me algum lugar no Novo Testamento onde um infante é batizado”. A resposta é 1 Coríntios 10:1-2: “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés”.

Mas o batista replica que os infantes não são mencionados na passagem. Concordo que eles não sejam mencionados explicitamente. Contudo, seria tolice pensar que os filhos de Israel, contados em 600.000 homens (Nm. 1:46) – considerando apenas os que eram “da idade de vinte anos para cima” e que eram “capazes de sair à guerra” (Nm. 1:3) – não tivessem nenhuma criança pequena.

Os batistas então dizem: “Mas o batismo não é uma característica do Antigo Testamento; ele existe somente no Novo Testamento”. Nossa resposta é que o Novo Testamento o chama de batismo, embora tenha acontecido no Antigo Testamento.

Sua resposta é que o batismo de Israel no Antigo Testamento é uma figura do batismo no Novo Testamento. Nossa resposta é: “OK, os infantes estavam na figura?”

Mas eles dizem que os filhos de Israel não estavam cientes do seu batismo no Mar Vermelho. Respondemos: “Sim, todos os infantes não estão cientes de seu batismo, mesmo na igreja”.

Neste ponto, o batista pode mudar sua tática. “O batismo é administrado somente por imersão”, ele diz. Replicamos: “Mas se os filhos de Israel tivessem sido imersos, teriam perecido com Faraó e seu exército. Faraó e seu exército foram imersos, mas não foram batizados; os filhos de Israel foram batizados, mas não foram imersos. De fato, batismo deles dependia de não serem imersos. Portanto, batismo e imersão são duas coisas diferentes”.

O mesmo argumento é verdadeiro com respeito a Noé e sua família durante o dilúvio (1 Pedro 3:20-21). Se a imersão tinha um propósito, seu propósito não era representar a salvação, mas a condenação. Isso é demonstrado pela imersão do exército condenado de Faraó, a condenação do mundo ímpio no dilúvio e a condenação final dos réprobos quando forem imersos no lago de fogo.

 

Fonte: www.cprf.co.uk
Tradução:
Felipe Sabino de Araújo Neto (setembro/2006)



Sobre o Autor

Brian Crossett
O autor é presbítero da Covenant Protestant Reformed Church (CPRC), na Irlanda do Norte.



 
 

 

Aos pais pedobatistas

O batismo infantil inflige o temor de Deus em mim. Ele realmente estabelece — de uma forma pública e visível — um relacionamento pactual. Um relacionamento de amor, envolvendo promessas e responsabilidades, bênçãos e m...
por Mark Jones
 

 
 

A religião mais restritiva no mundo

A religião cristã é ao mesmo tempo a mais abrangente e a mais restritiva no mundo. É uma fé que admite todo tipo possível de pessoa. Mas as admite em apenas um caminho. Há somente um Deus. Somente um. Se houvessem dois d...
por Tim Challies
 

 
 

Um apelo aos presbíteros

Fui lembrado pelos eventos de ontem[1] o quanto dependo dos meus presbíteros. A tarefa do presbítero é pastorear o pastor. Se eles não fizerem isso, ninguém mais o fará. Isso significa que haverá tempos quando o presbít...
por Carl Trueman
 

 

 

Dia do Senhor

Sermão do Rev. Augustus Nicodemus sobre o Dia do Senhor. [Download]
por Augustus Nicodemus Lopes
 

 
 

Fé para Operar Milagres

Durante o último século, dois erros cardeais foram cometidos a respeito de muita coisa contida nos Evangelhos – erros que têm prevalecido muito entre cristãos professos e que têm produzido grande destruição. Cada um de...
por Arthur W. Pink
 

 
 

As Responsabilidades do Presbítero

Em textos como Atos 20.28, 1 Pedro 5.1-3 e Hebreus 13.17, fica claro que os presbíteros são (a) pastores do rebanho de Deus. Eles devem cuidar, guiar e alimentar o povo de Deus com a verdade de sua Palavra, assim como bons pa...
por G. I. Williamson