Apologética

26 de dezembro de 2011

O Método Apologético Tradicional

Mais artigos de »
Escrito por: Cornelius Van Til
Tags:,

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista. Como a teologia católica e a arminiana compromete as doutrinas cristãs da Escritura, assim o método apologético tradicional compromete o cristianismo a fim de conquistar os homens para a sua aceitação.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus no sentido de não distinguir claramente entre sua autoexistência e sua relação com o mundo. O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus e sua relação com a revelação ao homem no sentido de não insistir claramente em que o homem, como criatura e como pecador, não pode buscar a natureza de Deus fora de sua revelação.

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do conselho de Deus, não levando em conta que ele é a “causa” última e toda abrangente de tudo que vem a ser.

Portanto, o método apologético tradicional compromete a clareza da revelação de Deus ao homem, quer a revelação venha de maneira geral ou especial. Fatos criados não devem ser tomados como revelações claras de Deus; todos os fatos da natureza e do homem somente indicam a probabilidade de existência de um deus.

O método apologético tradicional compromete a necessidade da revelação sobrenatural em relação à revelação natural. Assim fazendo, falha em fazer justiça ao fato de que, até mesmo no paraíso, o homem tinha de interpretar a revelação natural à luz das obrigações pactuais que lhe foram impostas por Deus por meio de comunicação sobrenatural. Em consequência, o método tradicional falha em reconhecer a necessidade da revelação redentiva, sobrenatural, concomitante com a natural, depois da queda do homem.

O método apologético tradicional compromete a suficiência da revelação redentiva sobrenatural na Escritura, na medida em que permite que fatos totalmente novos, tanto para Deus quanto para os homens, apareçam na realidade.

O método apologético tradicional compromete a autoridade da Escritura não tomando isto como testemunho no sentido pleno do termo.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica da criação do homem à imagem de Deus, vendo-o como um ser “livre” ou ultimado, em vez de analógico.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pacto, não fazendo a ação representativa de Adão um determinativo do futuro.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pecado, não o considerando um rompimento ético com Deus, o qual é completo em princípio, ainda que não, na prática.

A despeito de todas essas coisas, o método apologético tradicional tem sido aplicado por teólogos reformados, e tal fato tem atravessado o caminho para o desenvolvimento de uma apologética distintamente reformada.

 

Fonte: Cornelius Van Til, O Pastor Reformado e o Pensamento Moderno, (Cultura Cristã, p. 68-69).



Sobre o Autor

Cornelius Van Til
Cornelius Van Til
Cornelius Van Til, um dos apologistas mais originais e brilhantes do século 20, nasceu em Grootegast, Holanda (1895) e emigrou com a família para os Estados Unidos em 1905. Casado com Rena Klooster, foi filósofo cristão e teólogo reformado, pastor da Christian Reformed Church e um dos professores fundadores do Westminster Seminary, em setembro de 1929, onde lecionou Apologética até aposentar-se, em 1974. Em 1936 transferiu-se para a Orthodox Presbyterian Church, à qual pertenceu até sua morte, em 1987.




 
 

 

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 
 

Um Grupo de Pandas

~ 1 ~ Sou cristão, filósofo/logicista novato e cientista em biologia molecular. Estou lendo seus livros Questões Últimas e Confrontações Pressuposicionais. Neste último, você afirma o seguinte sobre a confiabilidade ...
por Vincent Cheung
 

 
 

Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Carl Trueman é definitivamente um dos melhores teólogos presbiterianos dos nossos dias. Contudo, o exemplo abaixo mostra como mesmo os grandes erram, e erram feio: notion of univocity (that, for example, the word ‘good&...
por Felipe Sabino
 

 

 

Propriedades das duas Cidades ― a Terrestre e a Celeste

  Dois amores fizeram as duas cidades: o amor de si até ao desprezo de Deus ― a terrestre; o amor de Deus até ao desprezo de si ― a celeste. Aquela glorifica-se em si própria ― esta no Senhor; aquela solicita dos home...
por Santo Agostinho
 

 
 

Considerações sobre a Filosofia da Idéia Cosmonômica

O filósofo reformado Herman Dooyeweerd acaba de ser introduzido no mercado literário brasileiro, através da publicação, pela editora Hagnos, de sua obra In the twilight of the western thought, em português, intitulada: ...
por Filipe Fontes
 

 
 

Lógica Pressuposicional

Preciso dizer isso de novo. Sou um aprendiz lerdo. Dãr! Ora, após 30 anos pensando que era pressuposicionalista, o Dr. Greg Bahnsen mudou a minha mente. Eu estava perto, mas não o suficiente. Há duas coisas que desafiam tod...
por Ian Hodge
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *