Apologética

26 de dezembro de 2011

Gordon H. Clark e Carl F. H. Henry

Mais artigos de »
Escrito por: David K. Naugle

Tanto Gordon H. Clark como Carl F. H. Henry parecem ser os herdeiros imediatos do legado da cosmovisão de James Orr. Como filósofo profissional, escrevendo a partir de um ponto de vista evangélico protestante, Gordon Clark (1902-86) foi, no auge de seus poderes, reconhecido como “talvez o deão daqueles filósofos americanos do século XX que têm procurando desenvolver uma Weltanschauung consistente com as Escrituras cristãs”. De fato, o título de um dos seus livros mais conhecidos – A Christian View of Men and Things – sugere uma continuidade com a obra de Orr. Na introdução Clark reconhece a popularidade que o volume do teólogo escocês teve anteriormente. Contudo, mais importante do que o título ou o reconhecimento é o fato que, como Orr antes dele, Clark identifica que o naturalismo apoderou-se da mente moderna como uma explicação completa da realidade. Se o cristianismo há de enfrentar esse desafio com sucesso, ele deve ser explicado e defendido em termos abrangentes também. Uma abordagem fragmentada e desconexa simplesmente não conseguirá fazer isso. Clark explica sua estratégia em linguagem que ecoa a abordagem exata de Orr.

Portanto, o cristianismo tem, ou, alguém até poderia dizer, o cristianismo é uma visão abrangente de todas as coisas; ele toma o mundo, tanto material como espiritual, como sendo um sistema ordenado. Consequentemente, se o cristianismo há de ser defendido contra as objeções de outras filosofias, o único método adequado será o abrangente. Embora seja de grande importância defender pontos particulares de interesse, essas defesas específicas serão insuficientes. Em adição a esses detalhes, é necessário também uma figura do todo na qual eles se encaixam.

Em seu livro, Clark procede à apresentação do quadro geral, analisando o estado atual da discussão na história, política, ética, ciência, religião e epistemologia e oferecendo uma perspectiva cristã em cada caso. Ele estava convencido que deveria ser escolhido aquele sistema que fosse mais abrangente, coerente e significativo. Conforme ele coloca, “quem pode nos negar, visto que devemos escolher, o direito de escolher o princípio primeiro mais promissor?” Para Clark, o cristianismo era a escolha clara e lógica.

A tradição da cosmovisão de Orr influenciou Clark F. H. Henry (1913-2003) também. Durante os seus anos de estudante ele enamorou-se com a compreensão e defesa da fé como uma “visão da vida e do mundo” total ao ler o volume de Orr. Em sua autobiografia Henry recorda que “foi a grande obra de James Orr, The Christian View of God and the World, usado como um texto obrigatório em teísmo [no Wheaton College], que melhor contribuiu para me dar uma visão convincentemente abrangente da realidade e da vida num contexto cristão”. Por meio de Henry, a ideia de cosmovisão em geral e da cosmovisão cristã em particular tem sido promovida largamente entre teólogos profissionais e o público evangélico. “Sua ênfase era sempre sobre o quadro geral”, diz Kenneth Kantzer. “Acima de tudo ele buscou pensar clara e eficazmente, consistente e abrangentemente, sobre a cosmovisão cristã total”. Dessa forma, de maneira não surpreendente, Henry estrutura a discussão em sua obra mais importante, God, Revelation and Authority, em termos de cosmovisões, e ele escreveu inúmeros volumes para audiências mais populares que abordam o mesmo tema. Nessas obras ele defende uma ressurgência das perspectivas cristãs em torno de todo o espectro da vida para impedir a crescente paganização da cultura contemporânea. Em 1998 Henry ainda defendia o conceito da cosmovisão cristã contra inúmeros críticos. Com frequência reconhecido como o “deão” dos teólogos evangélicos americanos contemporâneos, Henry tem exercido influência considerável em promover o cristianismo como uma cosmovisão completa.

Os mananciais da concepção do cristianismo como uma Weltanschauung abrangente e sistemática dessa forma tiveram origem na Escócia, na vida e no pensamento do grande teólogo presbiteriano James Orr. As águas do pensamento de cosmovisão são constantemente bombeadas dessa fonte para dentro do mainstream evangélico por escritos do filósofo Gordon Clark e do teólogo Carl Henry. Nos dias de Orr, entrementes, uma agenda parecida era desenvolvida no continente da Europa, agora por uma figura eclesiástica e política holandesa de proeminência cada vez maior, o segundo daqueles dois principais pontos de entrada intelectuais pelos quais a ideia de cosmovisão tem alcançado a igreja evangélica contemporânea.

[1] Ronald H. Nash, prefácio ao livro The Philosophy of Gordon H. Clark: A Festschrift, ed. Ronald H. Nash (Philadelphia: Presbyterian and Reformed, 1968), p. 5. Clark possui também uma discussão extensa sobre a necesidade de uma cosmovisão e da cosmovisão teísta em particular nos dois primeiros capítulos do seu livro A Christian Philosophy of Education (Grand Rapids: Eerdmans, 1946).

[2] – Gordon H. Clark, A Christian View of Men and Things: An Introduction to Philosophy (Grand Rapids: Eerdmans, 1951; reprint, Grand Rapids: Baker, 1981).

[3] – Clark, A Christian View, p. 25.

[4] – Clark, A Christian View, p. 34.

[5] – Scorgie, A Call for Continuity, p. 156 n. 4.

[6] – Carl F. H. Henry, Confessions of a Theologian: An Autobiography (Waco, Tx.: Word, 1986). p. 75).

[7] – Kenneth S. Kantzer, “Carl Ferdinand Howard Henry: An Appreciation”, em God and Culture: Essays in Honor of Carl F. H. Henry, ed. D. A. Carson e John D. Woodbridge (Grand Rapids: Eerdmans, 1993), p 372.

[8] – Veja especialmente Carl F. H. Henry, God Who Speaks and Shows: Preliminary Considerations, vol. 1 de God, Revelation and Authority (Waco, Tx.: Word, 1976). Outras obras relevantes de Henry apresentando o tema da cosmovisão incluem: Remaking the Modern Mind (Grand Rapids: Eerdmans, 1946); The Christian Mindset in a Secular Society: Promoting Evangelical Renewal and National Reighteousness (Portland, Oreg.: Multnomah, 1984); Christian Countermoves in a Decadent Culture (Portland, Oreg.: Multnomah, 1986); Resgatando a Fé Cristã (Brasília, DF: Editora Monergismo, 2012); God of This Age or God of the Ages? (Nashville: Broadman and Holman, 1994).

[9] – Henry, “Fortunes”, pp. 163-76. Os críticos a quem Henry responde em defesa da noção da cosmovisão argumentam que ela é uma construção modernista e muito racionalista ou especulativa em natureza, ou que as cosmovisões em si são mitológicas em conteúdo ou inteiramente condicionadas pela cultura. Veja os capítulos 9 e 11 neste volume para uma discussão crítica dos pontos fortes e fracos da noção de cosmovisão, e o uso desse conceito por cristãos.

 

Fonte: David K. Naugle, Worldview: The History of a Concept. Páginas 14-16.

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto, junho/2011.



Sobre o Autor

David K. Naugle





 
 

 

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 
 

Um Grupo de Pandas

~ 1 ~ Sou cristão, filósofo/logicista novato e cientista em biologia molecular. Estou lendo seus livros Questões Últimas e Confrontações Pressuposicionais. Neste último, você afirma o seguinte sobre a confiabilidade ...
por Vincent Cheung
 

 
 

Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Carl Trueman é definitivamente um dos melhores teólogos presbiterianos dos nossos dias. Contudo, o exemplo abaixo mostra como mesmo os grandes erram, e erram feio: notion of univocity (that, for example, the word ‘good&...
por Felipe Sabino
 

 

 

Propriedades das duas Cidades ― a Terrestre e a Celeste

  Dois amores fizeram as duas cidades: o amor de si até ao desprezo de Deus ― a terrestre; o amor de Deus até ao desprezo de si ― a celeste. Aquela glorifica-se em si própria ― esta no Senhor; aquela solicita dos home...
por Santo Agostinho
 

 
 

Considerações sobre a Filosofia da Idéia Cosmonômica

O filósofo reformado Herman Dooyeweerd acaba de ser introduzido no mercado literário brasileiro, através da publicação, pela editora Hagnos, de sua obra In the twilight of the western thought, em português, intitulada: ...
por Filipe Fontes
 

 
 

Lógica Pressuposicional

Preciso dizer isso de novo. Sou um aprendiz lerdo. Dãr! Ora, após 30 anos pensando que era pressuposicionalista, o Dr. Greg Bahnsen mudou a minha mente. Eu estava perto, mas não o suficiente. Há duas coisas que desafiam tod...
por Ian Hodge
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *