Pular para o conteúdo

Felipe Sabino

Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Carl Trueman é definitivamente um dos melhores teólogos presbiterianos dos nossos dias. Contudo, o exemplo abaixo mostra como mesmo os grandes erram, e erram feio: notion of univocity (that, for example, the word ‘good’ can be applied to God and humanity in the same qualitative manner) [link] Ele faz o comentário acima ao falar sobre Carl Henry e a influência de Gordon Clark sobre o pensamento de Henry. Mas esse exemplo de univocidade é absolutamente… Continue a ler »Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Leitura no céu?

25/09/2013 ─ Que vontade louca de ler todos os livros que estão na minha fila de espera! E comprar dezenas de outros, e devorá-los continuamente. Aqui estou, na página da Livraria Saraiva, com 23 livros no carrinho. Vou cancelar a compra! Mas não pela falta de tempo. Isso não é uma boa justificativa para não comprar livros. É que estou, digamos, “indisposto” a gastar R$ 914,70 com livros. Ao pensar sobre a escassez de dinheiro,… Continue a ler »Leitura no céu?

Deus usa os bostas!

Perdão pelo título desse artigo, mas poderíamos negar essa afirmação? Deus usa os bostas, caro leitor! Pensemos nos primórdios do cristianismo. Como se deu o seu avanço? Era um movimento obscuro, marginal, com ninguém ilustre em seu meio. É claro que havia Paulo, homem erudito e com uma cultura invejável. Mas, em sua maioria, os seguidores de Cristo eram pessoas humildes, iletrados, mas que foram poderosamente usados por Deus. O cristianismo tornou-se uma força dominante… Continue a ler »Deus usa os bostas!

Os Puritanos: 1600-1699

Richard Baxter, John Owen, Blaise Pascal, John Bunyan, e A Assembléia de Westminster   1603 Armínio defende que a predestinação é baseada no presciência. 1603 Tiago I torna-se Rei. 1604 Os puritanos encontram Tiago I em Hampton Court. Suas esperanças são frustradas. 1609 Morre Tiago Armínio. 1610 Nasce Irmão Lourenço. 1610 Os Arminianos publicam o Remonstrance (Protesto), contendo 5 artigos. 1611 Publicada a Versão King James, a tradução inglesa mais influente da Bíblia. 1615 Nasce… Continue a ler »Os Puritanos: 1600-1699

O Uso do Vinho na Santa Ceia

[box_light]Nota do tradutor: O texto abaixo foi extraído de um documento produzido pela Michiana Covenant Church em 2004.[/box_light] A Sessão da Michiana Covenant Church sustenta que o uso do vinho na Santa Ceia, tendo sido instituído por Cristo, é conveniente e apropriado. O uso de suco de uva, embora não seja pecaminoso, desvia-se da prática bíblica. Em suporte da nossa posição, oferecemos as seguintes considerações: O vinho, usado apropriadamente, é uma bênção de Deus Deus… Continue a ler »O Uso do Vinho na Santa Ceia

Soberania divina e a responsabilidade humana, de novo

Certas discussões reaparecem continuamente no meio cristão. A suposta tensão entre a soberania divina e a responsabilidade humana é uma delas. Ouve-se com frequência que a soberania divina, conforme entendida pela teologia reformada — particularmente na questão da salvação, mas não limitada a ela — retira a responsabilidade humana. “Se Deus é soberano e decretou tudo o que há de acontecer, nos mínimos detalhes, então o homem não é responsável pelos seus atos”, é a… Continue a ler »Soberania divina e a responsabilidade humana, de novo

O Racionalismo dos Irracionais

Eu não creio que haja paradoxos lógicos na Escritura. Contudo, não estou em guerra contra aqueles que creem diferente. Na verdade, entre os meus escritores prediletos há muitos (centenas, na verdade!) que afirmam abertamente existirem paradoxos lógicos na Escritura que a mente humana não pode resolver. Contudo, incomoda-me ver aqueles que defendem o paradoxo lógico xingar (sim, trata-se de um xingamento!) os que pensam diferente de racionalistas, mesmo quando esses são calvinistas, crendo na suficiência… Continue a ler »O Racionalismo dos Irracionais

Grego I

Durante o período clássico a língua grega era dividida em dialetos, sendo os principais o Dórico, o Aeólico e o Iônico. No quinto século a.C., uma divisão do Iônico, o Ático, Alcançou supremacia sobre os outros. O Ático era a língua de Atenas durante o seu período de glória; era a língua de Platão, Demóstenes e outros grandes escritores.