Teologia

A Imagem e Semelhança de Deus

Para descrever a natureza da imagem alguém pode imediatamente afirmar o princípio de que qualquer interpretação que identifique a imagem com algumas características não encontradas em Deus deve ser incorreta. Por exemplo, a imagem não pode ser o corpo do homem. Se alguém diz que a posição ereta do corpo humano, em contraste com os animais quadrúpedes e os répteis, é a imagem, a resposta não é meramente que os pássaros têm duas pernas, mas antes que Gênesis não faz nenhuma referencia à imagem física. Uma razão mais importante para negar que o corpo do homem seja a imagem é o fato de que Deus não é e não tem um corpo.
23 de julho de 2005
Teologia

Por que devo ser um calvinista

Por que devo ser um calvinista: explicando a soberania de Deus sobre o homem e o pacto com o homem “Pois, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, porque me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” —1 Coríntios 9.16 Nosso mundo pós-moderno diz muito sobre “opções”. É dito muito pouco sobre convicções. Supõe-se que todos sejam felizes com suas próprias “preferências”, e o acordo tácito é que eu não me preocuparei demais com suas preferências (digamos, por exemplo, homossexualidade, cereal matinal, carros antigos, pedofilia, ou Dan Rather) se você não se preocupar demais com as minhas. Nós simplesmente fazemos “escolhas”, e estamos certos que não nos tornamos dogmáticos demais sobre elas. A Bíblia, por outro lado, tem pouco a dizer sobre o que chamaríamos “preferências”. Tem muito que dizer sobre o que definimos como “convicções”. Preferências são escolhas que nos agradam; convicções são crenças que nos compelem. Paulo estava convencido de que Deus o havia chamado para pregar o Evangelho. Isso não era uma preferência. Era uma convicção. Esse é o porquê ele declarou que “era imposta essa obrigação” sobre ele. Ele era dirigido por uma obrigação interna – uma…
20 de janeiro de 2004