Category

Academia Monergista

Academia Monergista

Salvação: Um Resgate Necessário

Deus… nos salvou e nos chamou com uma santa vocação… (2 Timóteo 1.9) “Deus nos salvou e nos chamou com uma santa vocação” – que declaração sucinta e apropriada sobre o que significa ser cristão. A ideia de salvação é essencial. Alguns cristãos têm usado palavras como “salvo” e “salvação” com tanta frequência e descuido que esqueceram o que elas significam. Elas tornaram-se sons sem significado. Ou, se possuem algum significado, as palavras foram tão diluídas que “Você foi salvo?” é agora equivalente de “Você se inscreveu no torneio de golfe?”. É algo que é importante, mas ainda assim casual, sujeito à reflexão relaxada. Salvação é uma palavra séria. Ela pressupõe perigo e desespero. Você não diz brandamente a um homem que se afoga, “Ei, por que você não sai da água?” ou “Você se importaria em se unir conosco para jantar, e termos um momento de comunhão?”. Não, salvação é resgate. Ela implica necessidade. Você precisa dessa salvação. Ela não é algo indiferente ou uma questão de preferência. Significa que uma pessoa permanecerá numa condição negativa ou sofrerá alguma consequência negativa se não for retirada da sua presente situação. Em nosso contexto, essa condição negativa é a culpa do…
1 de julho de 2010
Academia Monergista

A Imagem de Deus no Homem segundo Calvino

No quinto século antes de Cristo, o filósofo sofista grego Protágoras (c. 480-410 a.C.), disse: "O homem é a medida de todas as coisas, das que são enquanto são, e das que não são enquanto não são”. A Renascença se caracteriza pela tentativa de vivenciar este conceito. Neste período houve uma "virada antropológica". Deus cedeu lugar ao homem, deixando de ser o centro das atenções; o "homem virtuoso" passou a ocupar o trono da história. "O homem pelo homem para o homem"; este é, de certa forma, o lema implícito do Humanismo Renascentista. Este "antropocentrismo refletido", se retrata no homem renascentista, profundamente otimista no que se refere à sua capacidade; ele se julga em plenas condições de planejar o seu próprio futuro, sua existência individual, aproximar-se da perfeição; tudo está em suas mãos, nada lhe escapa. Marcílio Ficino (1433-1499), considerava o homem como uma "síntese de todas as maravilhas do universo"; ou, na sua expressão, "copula mundi" ("Nexo do mundo"). O homem passou a ser considerado como o centro do mundo, a imagem completa de todas as coisas; o livro da natureza.
15 de fevereiro de 2009