Tag

Justificação

Academia Monergista

Justiça por Joseph Mizzi

“Porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados” (Romanos 2.13) Vamos dizer que eu sou acusado diante de um magistrado por direção imprudente e velocidade acima do limite. O meu advogado argumenta que eu passei no meu teste de direção, possuo uma carteira de habilitação válida e que estou plenamente familiarizado com o código de trânsito, incluindo o limite de velocidade. Ademais, eu nem sempre dirijo de forma imprudente e tem outros motoristas que são bem piores do que eu. Isso salvaria a minha pele? Dificilmente! Pelo contrário, já que eu conheço a lei tão bem, eu sou ainda mais responsável. Tendo ignorado as regulações de trânsito, eu tenho ainda mais culpa por ter transgredido a lei. Todos conhecemos a lei de Deus. O preceitos morais da lei estão escritos na nossa consciência. Sabemos que é errado furtar porque não queremos que ninguém tome os nossos bens. Sabemos que é errado mentir porque queremos que os outros nos digam a verdade. Ademais, muitos de nós que foram criados numa família cristã, aprendemos os Dez Mandamentos e o ensinamento moral da Bíblia desde a nossa infância. Temos…
13 de agosto de 2018
Academia Monergista

O Significado da Justificação por Joseph Mizzi

“O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o Senhor, tanto um como o outro.” (Provérbios 17.15) Nós naturalmente ficamos indignados diante da injustiça. Deus, que é perfeitamente justo, detesta a injustiça ainda mais do que nós. O papel do juiz é simples: eles devem ser justos e imparciais. “Em havendo contenda entre alguns, e vierem a juízo, os juízes os julgarão, justificando ao justo e condenando ao culpado” (Deuteronômio 25.1). Depois de considerar a evidência, o juiz deve decidir se o acusado é culpado de violar a lei. Se sim, ele deve prolatar uma sentença condenatória. O juiz deve condenar o perverso. Por outro lado, se o acusado tivesse cumprido o padrão da lei, o juiz deveria justificá-lo. Ele deveria pronunciar um reconhecimento dele como justo e livrá-lo de qualquer penalidade. Isso é justiça. Pelo contrário, é uma injustiça flagrante quando um juiz “justifica o perverso” ou “condena o justo”, como às vezes acontece nos tribunais humanos. “O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o Senhor, tanto um como o outro” (Provérbios 17.15). Podemos ter certeza de que isso nunca vai acontecer no tribunal de Deus.…
10 de agosto de 2018
TeologiaUncategorizedVida Cristã

Por que se importar com a justificação? por Joseph Mizzi

Porquanto não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que nele crê; primeiro do judeu, assim como do grego (Romanos 1.16) A meningite continua sendo uma doença mortal para as crianças. Felizmente, o número de casos de meningite diminui por volta dos últimos vinte anos, principalmente devido à imunização. Todavia, essa temida infecção não está completamente erradicada porque ainda não temos vacinas para cobrir todos os micróbios diferentes que causam a meningite. Além disso, alguns pais deixam de imunizar os seus filhos por negligência ou medo. Parte o coração quando uma criança morre por uma infecção que poderia facilmente ser prevenida. Espiritualmente, é ainda mais trágico se negligenciarmos a mensagem evangélica da salvação pela fé em Cristo Jesus. Não podemos nos dar ao luxo de ignorar o que a Palavra de Deus ensina sobre justificação, isto é, como ficamos de bem com Deus. As consequências nesta vida e na vindoura são espantosas. Por que, então, devemos nos importar com a justificação? O que isso quer dizer afinal? Não é essa doutrina que causou tantos problemas na Europa durante a Reforma Protestante? Por que eu devo ligar para uma doutrina que resultou…
8 de agosto de 2018
Teologia

O Futuro da Justificação

Segue abaixo a introdução do excelente livro de John Piper sobre justificação, publicado no Brasil pela Editora Tempo de Colheita. Recomendo fortemente que o leitor adquira e devore este livro, cujo título é O Futuro da Justificação: Uma Resposta a N. T. Wright. Agradeço ao Filipe Leitão, editor da Tempo de Colheita, por enviar e permitir a postagem dessa introdução.
23 de fevereiro de 2012
Teologia

Somente Cristo Justifica

Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida” (Rm 5.18). Essa “uma só ofensa”, se somos tendentes à “imitação”, pode ser apenas a ofensa do diabo. Visto que, contudo, isso é manifestamente falado em referência a Adão, e não ao diabo, segue-se que não temos nenhuma outra alternativa, senão entender que o princípio da propagação natural, e não aquele da imitação, está aqui implícito.
5 de janeiro de 2012