Tag

Pink

Teologia

O Espírito que habita

O Espírito e Cristo "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele." (Romanos 8: 9). A posse do Espírito Santo é a marca distintiva de um cristão, pois ficar sem o Espírito é uma prova positiva de que estamos fora de Cristo - "não é dele": palavras temerosas! E, meu leitor, se não somos de Cristo, de quem somos? A resposta deve ser: de Satanás; pois não há um terceiro possuidor de homens. No passado, todos nós éramos súditos do reino das trevas, escravos de Satanás, herdeiros da ira. As grandes perguntas que cada um de nós precisa responder com precisão são: Fui tirado dessa terrível posse? Fui trazido para o reino do querido Filho de Deus, fui feito herdeiro de Deus e fui habitado pelo Seu Espírito Santo? Observe que o Espírito e Cristo andam juntos: se temos Cristo como nosso Redentor, temos o Espírito Santo como nosso Habitante. Mas se não temos o Espírito, não somos de Cristo. Podemos ser membros de Sua "Igreja visível", podemos estar externamente unidos a Ele por comunhão…
27 de março de 2020
IgrejaTeologia

Fé para Operar Milagres

Durante o último século, dois erros cardeais foram cometidos a respeito de muita coisa contida nos Evangelhos – erros que têm prevalecido muito entre cristãos professos e que têm produzido grande destruição. Cada um desses erros dizem respeito àquela interpretação e aplicação do conteúdo dos quatro Evangelistas quanto ao que pertence e o que não pertence ao povo do Senhor hoje. O primeiro desses erros foi dispensacional. Foi erroneamente adotada a opinião de que, como o ministério de nosso Senhor limitou-se à Palestina, enquanto o Templo ainda estava de pé em Jerusalém, este foi, portanto, de caráter exclusivamente “judaico”, e os santos de nossa era devem voltar-se apenas para as Epístolas do Apóstolo dos gentios em busca de suas ordens de marcha. Tal erro é refutado pelos versos iniciais de Hebreus (onde o ministério de Cristo é contrastado com o dos Profetas), e pelo fato de que a grande divisão de tempo entre a.C. e d.C. é datada a partir do nascimento de Cristo, e não da Sua morte ou mesmo da Sua ascensão. O segundo erro é prático. Aqui o pêndulo balançou para o extremo oposto. No primeiro caso, uma tentativa insidiosa e persistente foi feita para privar os…
4 de fevereiro de 2014