Uncategorized

Justificados pelo Sangue de Jesus (Joseph Mizzi)

By 3 de setembro de 2018 No Comments

Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira (Romanos 5.9).

A justiça demanda que os transgressores da lei sejam condenados, enquanto que os inocedentes devem ser absolvidos e liberados. Deus estabelece esse princípio básico ao instruir os juízes para que julguem “justificando ao justo e condenando ao culpado” (Deuteronômio 25.1).

Como então devemos entender esta escritura, e em particular a afirmação “justificados pelo seu sangue”? “Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (Romanos 5.9).

Os “justificados” são crentes em Jesus Cristo, mas, como todos sabemos, os cristãos não são inocentes, nem impecáveis. Eles ainda quebram a Lei de Deus em maior ou menor medida. O cristão mais devoto humildemente confessa com o resto do povo de Deus: “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós” (1João 1.8). Todavia, Deus diz que eles são justificados. O Juiz divino os absolve e os livra de toda penalidade.  Isso não é quebrar a justiça? Eles não deveriam, sendo transgressores da lei, serem condenados e punidos?

Ademais, o “seu sangue” se refere ao Filho de Deus que foi crucificado na cruz. Agora, Jesus é imaculado, impecável, inocente, justo. ele é o Santo de Deus. Por que ele deveria morrer? Jesus deveria ter sido justificado; ele não deveria de jeito nenhum ser morto, porque ele consistentemente obedeceu a Lei de Deus perfeitamente.

Não podemos dizer que a morte de Cristo era meramente um assassinato ou uma injustiça cometida por homens maus. Foi mais do que isso. A Bíblia diz que “ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar” (Isaías 53.10). Jesus foi “entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos” (Atos 2.23). Deus planejou a morte do seu Filho desde a eternidade e o enviou ao mundo exatamente com esse propósito.

Por que, então, o Justo morreu? Que culpa ele estava carregando nos seus ombros? A sua própria? Certamente não, pois ele era sem pecado.

Os pecados eram de quem, então? Cristo morreu pelos pecados de outros! Todos os que creem nele podem dizer com alegria: “Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Romanos 5.8). Admitimos que, como pecadores, merecemos uma sentença condenatória e a punição do pecado no inferno para sempre. Ao invés disso, Deus transferiu os pecados do seu povo para o seu Filho; ele foi condenado e castigado no lugar deles. Por sua morte, Cristo fez satisfação à lei e justiça de Deus. É por isso que a Bíblia declara que somos justificados pelo seu sangue. Deus pode justamente livrar o seu povo do inferno porque o seu Salvador foi punido com a morte no seu lugar.

O que você vê quando você olha para trás para o Crucificado? Você vê o seu substituto morrendo pelos seus pecados? Você pode honestamente repetir as benditas palavras: “sou justificado pelo seu sangue”?

Este é o capítulo 7 do livreto Right with God de Joseph Mizzi.

Tradução por Guilherme Cordeiro.