Ministério da Igreja

3 de julho de 2012
 

A Importância do Caráter

Mais artigos de »
Escrito por: C. H. Spurgeon
Tags:
marca_dagua_banners2

Meus caros irmãos, quando lhes dizemos que cuidem bem da sua vida, queremos dizer que sejam cuidadosos até com as minudências do seu caráter. Evitem as pequenas dívidas, a impontualidade, fazer mexericos, dar apelidos, contendas minúsculas, e todos aqueles pequenos males que enchem de moscas o unguento. As auto-indulgências que têm rebaixado a reputação de muitos, não podemos tolerar. As familiaridades que têm lançado suspeita sobre outros, temos que evitar castamente. Da grosseria que tem tornado alguns odiosos, e das futilidades que tornaram muitos desprezíveis, temos que nos descartar. Não podemos permitir-nos correr grandes riscos por causa de pequenas coisas. Tenhamos o cuidado de conduzir-nos de acordo com a regra: “Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado”.

Com isto não se quer dizer que devemos manter-nos presos a quaisquer caprichos da sociedade em que nos movemos. Em regra, odeio as modas da sociedade e detesto os convencionalismos, e se eu achasse que a melhor atitude seria pisar numa regra de etiqueta, sentir-me-ia gratificado ao fazê-lo. Não; somos homens, não escravos; e não devemos renunciar à nossa liberdade varonil para sermos lacaios dos que fingem gentileza ou alardeiam polidez. Entretanto, irmãos, de tudo que se aproxima da grosseria que cheira a pecado temos que fugir como fugiríamos de uma víbora. Para nós as regras do Conde Chesterfield (1694-1773) são ridículas; não, porém, o exemplo de Cristo. Ele nunca foi grosseiro, baixo, descortês ou indelicado.

Mesmo em vossas recreações, lembrem-se de que são ministros. Quando estão fora da mira, ainda continuam sendo oficiais do exército de Cristo, e, como tais, não se rebaixem. Mas, se devemos observar com cautela as coisas mínimas, quanto cuidado devemos ter nas grandes questões da moralidade, da honestidade e da integridade! Nestas é preciso que o ministro não falhe. Sua vida particular deve estar sempre em harmonia com o seu ministério, ou, do contrário, o seu dia se porá com ele, e quanto mais cedo se afastar, melhor, pois a sua permanência nesse ofício servirá somente para desonrar a causa de Deus e ocasionar a ruína de si mesmo.

 

 

Fonte: Lições aos Meus Alunos, Vol. 2 (Editora PES), p. 21-22.



Sobre o Autor

C. H. Spurgeon
C. H. Spurgeon
Charles Haddon Spurgeon (1834-1892), inglês, se converteu aos 15 anos. Pregou pela primeira vez com 17 anos. Aos 19 anos já era pastor na Park Street Chapel, em Londres. Era um devorador de livros e se tornou conhecido como o "príncipe dos pregadores". Sua teologia fluía da palavra de Deus e da experiência com o próprio Deus. Sua vida espiritual e sua teologia estavam em completa harmonia.



 
 

 
marca_dagua_banners2

Política e púlpito: o que Deus requer?

Lançamento da Editora Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones