Apologética

2 de julho de 2012
 

O Dia em que o Avião de Francis Schaeffer Quase Caiu

Mais artigos de »
Escrito por: Francis Schaeffer
Tags:
marca_dagua_banners

Uma vez eu estava voando à noite no Atlântico Norte. Foi em 1947, e eu estava voltando da minha primeira visita à Europa. Nosso avião, um desses DC4 antigos com dois motores em cada asa, estava a dois ou três minutos no meio do Atlântico. De repente, dois motores numa asa pararam. Eu já tinha voado muito, e por isso eu pude sentir os motores com problemas. Eu me lembro de pensar: “Se eu for afundar no oceano, seria melhor eu pegar o meu casaco”. Quando eu peguei, eu disse à aeromoça: “Tem algo errado com os motores”. Ela foi um pouco mordaz e disse: “Vocês sempre acham que há algo errado com os motores”. Eu dei de ombros, mas peguei meu casaco. Tão logo sentei, as luzes se acenderam e um co-piloto muito agitado saiu da cabine. “Nós estamos em apuros”, ele disse. “Vistam rapidamente seus coletes salva-vidas”.

Assim, nós descemos, e caímos e caímos, até que, no meio da noite sem lugar, pudemos ver as ondas se quebrando debaixo de nós na escuridão. E enquanto nós estávamos descendo, eu orei. De forma bastante interessante, uma mensagem de rádio tinha sido transmitida, um S.O.S. que foi receptado e retransmitido imediatamente por todos os Estados Unidos num plantão de notícias: “há um avião caindo no meio do Atlântico”. Minha esposa ouviu falar disso e, imediatamente, ela juntou nossas três pequenas meninas e se ajoelharam e começaram a orar. Elas estavam orando em St. Louis, Missouri, e eu estava orando no avião. E nos não parávamos de cair.

Então, quando nós podíamos ver o quebrar das ondas em baixo de nós e todo mundo estava pronto para o impacto, de repente os dois motores voltaram a funcionar, e nós entramos em Gander. Quando pousamos, eu procurei o piloto e perguntei-lhe o que havia acontecido. “Bem,”, ele disse, “é uma coisa estranha, algo que nós não podemos explicar. Muito raramente dois motores param numa única asa, mas você pode estabelecer uma regra de que, quando isso acontece, eles não voltam a funcionar. Nós não entendemos isso”. Então virei para ele e disse: “Eu posso explicar”. E ele olhou para mim. “Como?”. E eu disse: “Meu Pai no Céu fez isto porque eu estava orando”. Aquele homem ficou com um olhar ainda mais estranho no seu rosto e foi embora.

[…]

O que se deve perceber é que ver o mundo como um cristão não significa simplesmente dizer: “eu sou um cristão. Eu acredito no mundo sobrenatural”, e parar por aí. É possível ser salvo mediante a fé em Cristo e então passar muito de nossa vida na cadeira do materialismo. Nós podemos dizer que acreditamos num mundo sobrenatural, e ainda assim viver como se não houvesse nada sobrenatural no universo. Não basta dizer simplesmente: “eu acredito num mundo sobrenatural”. Nós temos que perguntar: “em qual cadeira estou sentado neste determinado momento existencial?”. Nós temos que viver no presente: “Basta ao dia o seu próprio mal […] o pão nosso de cada dia dá-nos hoje”. O que conta é a cadeira na qual estou sentado em qualquer momento existencial.

O Cristianismo não é apenas um consentimento mental de que certas doutrinas são verdadeiras – nem mesmo que as doutrinas corretas são verdadeiras. Isto é só o começo. Isto seria como um homem faminto sentado em frente a grandes montões de comida e dizendo “eu acredito que a comida existe; eu acredito que é real”, e que, contudo, nunca come. Não basta dizer apenas “eu sou um cristão” e então, na prática, viver como se contato presente com o sobrenatural fosse algo remoto e estranho. Muitos cristãos que conheço parecem agir como se entrassem em contato com o sobrenatural somente duas vezes – uma quando são justificadas e se tornam cristãos, e outra quando morrem. O resto do tempo eles agem como se estivessem sentados na cadeira do materialismo.

Fonte: Morte na Cidade (Editora Cultura Cristã), p. 94-96.



Sobre o Autor

Francis Schaeffer
Francis Schaeffer
Francis A. Schaeffer (1912-1984) será sempre lembrado como um dos gigantes do século 20. Seus livros foram traduzidos para mais de 25 idiomas com milhões de exemplares vendidos. A L'Abri Fellowship, fundada pelo casal Francis e Edith Schaeffer em 1955, é um tributo vivo à sua obra. Outros títulos de Schaeffer lançados pela Cultura Cristã: A Obra Consumada de Cristo, A Morte na Cidade, Poluição e a Morte do Homem, Verdadeira Espiritualidade e a trilogia clássica, O Deus que Intervém, A Morte da Razão e O Deus que se Revela.



 
 

 
marca_dagua_banners

Introdução à filosofia e apologética cristãs

Está disponível para kindle uma das melhores introduções à filosofia e apologética cristãs. O autor é um dos mais fiéis seguidores do pressuposicionalismo clarkiano: Carl F. H. Henry. Compre agora:  
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners_la

Um Grupo de Pandas

~ 1 ~ Sou cristão, filósofo/logicista novato e cientista em biologia molecular. Estou lendo seus livros Questões Últimas e Confrontações Pressuposicionais. Neste último, você afirma o seguinte sobre a confiabilidade ...
por Vincent Cheung
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Univocidade: Trueman, Clark e Henry

Carl Trueman é definitivamente um dos melhores teólogos presbiterianos dos nossos dias. Contudo, o exemplo abaixo mostra como mesmo os grandes erram, e erram feio: notion of univocity (that, for example, the word ‘good&...
por Felipe Sabino
 

 

 
heavenly-city-augustine

Propriedades das duas Cidades ― a Terrestre e a Celeste

  Dois amores fizeram as duas cidades: o amor de si até ao desprezo de Deus ― a terrestre; o amor de Deus até ao desprezo de si ― a celeste. Aquela glorifica-se em si própria ― esta no Senhor; aquela solicita dos home...
por Santo Agostinho
 

 
 
marca_dagua_banners2

Considerações sobre a Filosofia da Idéia Cosmonômica

O filósofo reformado Herman Dooyeweerd acaba de ser introduzido no mercado literário brasileiro, através da publicação, pela editora Hagnos, de sua obra In the twilight of the western thought, em português, intitulada: ...
por Filipe Fontes
 

 
 
marca_dagua_banners

Lógica Pressuposicional

Preciso dizer isso de novo. Sou um aprendiz lerdo. Dãr! Ora, após 30 anos pensando que era pressuposicionalista, o Dr. Greg Bahnsen mudou a minha mente. Eu estava perto, mas não o suficiente. Há duas coisas que desafiam tod...
por Ian Hodge