Outras Categorias

6 de novembro de 2010
 

Um Manifesto Cristão

Mais artigos de »
Escrito por: R. J. Rushdoony
Tags:

1. Soberania é um atributo de Deus somente, não do homem ou do Estado. Deus somente é Senhor ou Soberano sobre todas as coisas; sobre o Estado, a escola, família, vocações, a sociedade e tudo o mais.

2. A Bíblia foi dada como o direito comum de homens e nações e durante a maior parte da história dos Estados Unidos ela foi de fato o direito comum, como declarou Justice Story.

3. A salvação não se dá mediante a política, educação, a igreja, ou qualquer outra agência ou pessoa, mas somente por meio de Jesus Cristo nosso Senhor.

4. O mito de Maquiavel, que, pelo controle do Estado no topo, homens maus podem fazer uma boa sociedade, está na raiz da nossa crise cultural e colapso crescente. Uma boa omelete não pode ser feita com ovos podres. Homens verdadeiramente redimidos são necessários para uma boa sociedade. [1]

5. Governantes civis que governam sem o Senhor e a sua lei não são, como disse Agostinho, diferentes de uma máfia, mas apenas mais poderosos.

6. O Estado não é o governo, mas apenas uma forma de governo entre muitas, as outras sendo o autogoverno do homem cristão, a família, a escola, a igreja, as vocações e a sociedade. O Estado é o governo civil, um ministro da justiça.

7. O Estado equiparar-se ao próprio governo é tirania e perversidade.

8. O homem cristão é o único homem verdadeiramente livre em todo o mundo, e ele é chamado a exercer domínio sobre toda a terra.

9. Humanismo é o caminho para a morte e é a essência do pecado original, ou o homem tentando ser o seu próprio deus.

10. Todos os homens, coisas e instituições devem servir a Deus, ou serem julgados por ele.

[1] Rushdoony não endossava simplesmente substituir os “homens maus” por “homens piedosos” no topo de uma sociedade controlada pelo Estado. O conceito de teocracia de Rushdoony não era uma forma centralizada de poder nas mãos de líderes religiosos. Ele escreveu: “Poucas coisas são mais comumente mal entendidas do que a natureza e o significado da teocracia. Ela é comumente assumida ser um governo ditatorial por homens autonomeados que alegam governar em nome de Deus. Na realidade, na lei bíblica teocracia é a coisa mais próxima que se pode ter de um libertarianismo radical” (Roots of Reconstruction, p. 63).

 

Fonte: Roots of Reconstruction, p. 1114-1115. Publicado originalmente em Chalcedon Report nº 225, abril de 1984.

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto. Novembro/2010.

 



Sobre o Autor

R. J. Rushdoony
R. J. Rushdoony
O Rev. R.J. Rushdoony  (1916-2001), importante teólogo e filósofo calvinista, foi o fundador da Chalcedon Foundation. Ele era especialista no assunto Igreja/Estado e escreveu inúmeras obras sobre a aplicação da lei bíblica à sociedade.



 
 

 

Apontamentos da história da Assembleia de Westminster

A Assembleia de Teólogos de Westminster (1643-1649) foi um grande marco histórico e teológico que fechou um ciclo dourado de produção de documentos confessionais.
por Raneire Menezes
 

 
 

29 de janeiro: meu dia.

29 de janeiro sempre foi dia de festa em minha casa. Ao menos em meu coração. O dia continua impregnado em minha alma, embora com um sabor diferente desde 2006. Afinal, em 16 de julho de 2005 faleceu Francisco Sabino de Araú...
por Felipe Sabino
 

 
 

Jesus Cristo, o ungido do Senhor, reina para sempre

O salmo dois, exuberantemente messiânico e centrado no senhorio de Deus sobre todas as coisas, principia revelando aquela que é a essência do pecado, a rebelião do homem contra o criador; e a recusa do homem em se submeter ...
por José Mario Silva
 

 

 

A linguagem do amor

Um correspondente perguntou-me recentemente (em um tom um tanto acusatório) por que gasto tanto tempo escrevendo sobre as questões do movimento LGBT.
por Carl Trueman
 

 
 

A adoração a Baal

Eis o novo lançamento em kindle da Monergismo.
por Felipe Sabino
 

 
 

Bavinck em kindle.

O teólogo holandês Herman Bavinck (1854-1921) foi um dos maiores teólogos reformados dos últimos séculos. A Editora Monergismo acaba de lançar uma das suas mais importantes obras, ao lado da sua dogmática: A filosofia ...
por Felipe Sabino