Doutrina/Teologia

13 de junho de 2012
 

O Desígnio Revelatório de Deus para os Feitos Milagrosos

Mais artigos de »
Escrito por: Jefté Alves de Assis
Tags:
marca_dagua_banners

O presente trabalho tem por objetivo demonstrar que o propósito basilar de Deus ao operar milagres era autenticar uma nova revelação que dispensara por meio de algum porta-voz seu. Tais milagres ocorreram com maior incidência em três períodos distintos, os quais foram caracterizados por ser o marco inicial de um novo período revelacional. O ultimo período foi o de Cristo Jesus e dos apóstolos, o qual, após a revelação ter sido escritura, os milagres cessaram – razão porque não encontramos registros de milagres na história da igreja tais quais encontrados na Bíblia. Isso se constitui em um contrassenso à práxis e ao ensino carismático que advoga sinais e prodígios em seu meio.

Faça o Download (arquivo PDF)



Sobre o Autor

Jefté Alves de Assis
Jefté Alves de Assis é pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana do Brasil.



 
 

 
marca_dagua_banners_a

O evangelho do Reino

Refutação do dispensacionalismo.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners_la

Ainda não é o fim!

Não poucos cristãos ficam alarmados diante das tragédias dos nossos dias. Quer estejamos falando de catástrofes naturais, como o tsunami, ou de decadência moral, como a legalização do “casamento” homossexual, tais ac...
por Felipe Sabino
 

 

 
marca_dagua_banners

O céu beijou a terra: a encarnação

O que é a encarnação? É o céu beijando a terra. Como disse o puritano Thomas Goodwin, quando o Filho tornou-se carne, “céu e terra se encontraram e se beijaram, a saber, Deus e o homem”.
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Sobre o prazer de ler

Quem não me conhece acha que gosto de ler.
por Felipe Sabino
 

 
 
marca_dagua_banners_la

Leitura no céu?

25/09/2013 ─ Que vontade louca de ler todos os livros que estão na minha fila de espera! E comprar dezenas de outros, e devorá-los continuamente. Aqui estou, na página da Livraria Saraiva, com 23 livros no carrinho. Vou ca...
por Felipe Sabino